Biodefensivos – um mundo ainda desconhecido pelos produtores

Em palestra para o Fórum Brasileiro de Biodefensivos, Alexandre de Sene Pinto, da BUG Agentes Biológicos, diz que mais da metade dos produtores não conhece a tecnologia

controle biologico credito bug“Precisamos divulgar o controle biológico como uma tecnologia e sair dessa conversa primária de quem come quem. O produtor tem dificuldade em usar os biodefensivos por falta de informação. Cinquenta e um por cento dos agricultores não sabe nem do que se trata”. O apelo é de Alexandre de Sene Pinto, consultor em manejo racional de pragas, da BUG Agentes Biológicos, durante o segundo dia do Fórum Brasileiro de Biodefensivos, promovido pela ABCBio (Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico), em São Paulo.

“Temos de chegar nos produtores tendo em mente o seguinte perfil – 80% dos produtores não tem o 1º grau completo, dizem não ter assistência técnica e a maioria tem idade superior a 45 anos, ou seja, são mais resistentes à mudança”, completou o consultor. O especialista ainda falou a respeito de uma quarta Revolução Agrícola ou Agricultura 4.0, em que todos os setores de produção estariam integrados (uso de aplicativos, drones, automatização etc). “O uso de biodefensivos se insere aqui”, disse.

Alexandre afirma também que hoje, a consciência ambiental do produtor em relação aos produtos de controle biológico é de apenas 2%. “Eles optam pelos biodefensivos quando há ineficácia dos agrotóxicos e dos transgênicos, como no caso da helicoverpa, por exemplo”, disse. Para quebrar paradigmas e conscientizar produtores e profissionais da cadeia, o consultor acredita em três ações: inclusão de tecnologia de aplicação de biodefensivos nos cursos Ciências Agrárias; treinamento intensivo de profissionais e investimento em pesquisas na área.