Brasil tem queda na exportação de frango, mas apresenta aumento de quase 6% em receita

Dado é da ABPA para o primeiro semestre deste ano; ainda de acordo com Associação, exportações de carne suína obtiveram crescimento de 28,5%

Da esquerda para direita - Ricardo Santim, Francisco Turra e Rui Vargas, da ABPA

Da esquerda para direita – Ricardo Santim, Francisco Turra e Rui Vargas, da ABPA

Após quatro meses da divulgação da Operação Carne Fraca, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) apresenta os resultados do primeiro semestre de produção e de mercado de carnes de frango e suína referentes ao primeiro semestre de 2017. “Não podemos negar que perdemos credibilidade em alguns países e que os importadores trabalham com muito mais cuidado em relação à carne brasileira. Mas, apesar disso, os impactos na participação do Brasil no mercado internacional foram mínimos”, disse Francisco Turra, presidente da ABPA, em coletiva de imprensa realizada na manhã desta terça-feira (11), na sede da entidade, em São Paulo.

De acordo com a Associação, o volume de carne de frango exportado neste período obteve queda de 6,4%. Apesar disso, a receita apresentou um crescimento de 5,9%. Em relação à carne suína, as exportações brasileiras registraram um crescimento de 28,5% em comparação ao mesmo período do ano passado. “Isso se explica porque as produções globais crescem menos do que a exportação”, explica Ricardo Santim, vice-presidente e diretor de Mercados da ABPA. “A incidência de Influência Aviária em 22 países exportadores também foi determinante para a melhora no preço internacional do setor”, completa Turra.

A expectativa da ABPA é de que para o segundo semestre deste ano haja um crescimento de 1%, em volume, tanto para carne de frango quanto para carne suína. “Não prevemos queda. Esperamos que haja abertura de mercados da Coreia do Sul e do México. Só no ano passado, o México importou mais de 1 milhão de toneladas de carne suína. Este é um mercado muito ambicionado por nós”, disse Turra.

“Conseguimos demonstrar para os países importadores que temos capacidade de desenvolver medidas de correção e de prevenção de problemas para o setor”, disse Rui Vargas, vice-presidente e diretor técnico da ABPA. “Estamos satisfeitos com a postura adotada pelo Ministério da Agricultura diante da Operação Carne Fraca”, acrescentou.