Agricultores baianos apostam em pó de rocha para melhorar nutrição do solo

Associações de produtores do oeste da Bahia vão investir em pesquisas de especialista da Embrapa Cerrados, que prevê resultados positivos do uso de pó de rochas silicáticas como fonte de potássio. Técnica deverá reduzir custos dos agricultores com fertilizantes 

Redação*

Divulgação AbapaAgricultores baianos, associados da Fundação Bahia, Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e Associação dos Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), vão investir em pesquisas para utilizar o pó de rocha moída para liberar mais potássio no solo, como fonte de nutriente para as plantas, a baixo custo.  Os estudos serão liderados pelo pesquisador da Embrapa Cerrados, Éder de Souza Martins, que apresentou nesta segunda-feira (29) em Barreiras, para produtores e técnicos da região, os resultados favoráveis do uso de pó de rochas silicáticas como fontes de potássio para o solo na agricultura.

Durante a apresentação, Martins reforçou que o uso adequado de agrominerais silicáticos simula processos naturais de renovação do solo e podem fornecer potássio, cálcio, magnésio, silício e outros micronutrientes, além da produção de argilominerais e acúmulo de matéria orgânica. Desde 2000, o pesquisador da Embrapa conduz os estudos sobre diversos remineralizadores (insumos formados por rochas silicáticas moídas) oriundos de rochas abundantes no Brasil, que ampararam a legislação sobre o assunto.

“Temos dois fornecedores de mineralizador próximos à região, em Dianópolis (TO) e Formosa do Rio Preto (BA), que podem atender a demanda local. Mas antes vamos testar se as rochas têm potencial de uso agrícola nos solos da região. E, para isso, faremos os testes em casas de vegetação e no campo experimental da Fundação Bahia, em Luís Eduardo Magalhães, para comprovar a eficiência e potencialidade do pó de rocha para liberar nutrientes”, afirma Martins, da Embrapa, reforçando os diversos estudos que mostram a eficiência agronômica de vários tipos de rochas.

Redução de custos

Durante a explanação aos técnicos e produtores, a presidente da Fundação Bahia, Zirlene Zuttion, reforçou que todos os estudos que possam reduzir os custos para os agricultores são incentivados na entidade. Para o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato, é importante avançar no uso da tecnologia em todos os processos que envolvem a produção agrícola. “Pelos resultados já alcançados na prática, temos certeza que depois dos estudos específicos para a nossa região, o uso dos remineralizadores poderá ser uma realidade para trazer mais produtividade com menor custo para o produtor”, afirma.

Segundo a pesquisa da Embrapa, 95% do potássio usado na agricultura é importado, sendo que boa parte dos remineralizadores são ricos nesse mineral, além de conter cálcio e magnésio. Além de nutrirem as plantas, os remineralizadores podem, dependendo da fonte, contribuir para a correção do alumínio tóxico no solo e melhorar a capacidade de troca de cátions (CTC) do solo, propriedade importante para a retenção de nutrientes.

Desde março de 2016, os remineralizadores podem ser registrados no Ministério da Agricultura (Mapa) para uso específico na agricultura. As instruções normativa Nº 5 e 6, publicada em 10 de março de 2016, estabelecem as especificações para o uso destes insumos na atividade agrícola.

* Com informações da assessoria da Abapa.

Pelo uso inteligente da água na agricultura

Encontro em São Paulo discute irrigação como alternativa eficaz para o aumento da produtividade no Brasil

Rubens Chaves/Pulsar

Hortaliças irrigadas por aspersão em Ibiúna/SP. Foto: Rubens Chaves/Pulsar Imagens

O uso racional da água na agricultura foi tema de discussão, que reuniu entidades, representantes da indústria e de entidades públicas, nesta terça-feira (30), na Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, que realizou o evento em parceria com a Câmara Setorial de Equipamentos de Irrigação (CSEI), da ABIMAQ.

“Estamos reunidos hoje aqui para falar sobre as águas, mas também para desmascarar alguns dos preconceitos sofridos pelo agronegócio – o de que somos um setor atrasado; que mantém relações de trabalho escravocratas; e de que não trabalhamos de modo sustentável”, disse Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. “Vocês verão hoje que a irrigação não é só uma alternativa viável e sustentável como também um investimento, que precisa estar na agenda das políticas públicas deste País”, completou o secretário.

“O que temos de entender de uma vez por todas é que a água é um recurso finito e que, com o crescimento populacional, temos cada vez menos água, energia e solo e uma maior demanda por alimentos. Este é nosso grande desafio”, disse Marcus Tessler, presidente da CSEI.

Retorno

Após apresentar um breve histórico sobre a irrigação no Brasil, que começou a crescer a partir dos anos 2000, Tessler apontou dados que mostram aumento de produtividade com a adoção da técnica. “Ainda é uma tecnologia cara, mas dá retorno”, disse. De acordo com a CSEI, o incremento de produtividade proporcionado pela tecnologia chega até 55%, em culturas como o café. Na cana-de-açúcar, 33%; citrus, 46%; soja, 25% e no milho, 56%.

“Oitenta e dois por cento da produção mundial de alimentos não vem da irrigação. Apenas 18% é fruto da técnica, sendo que destes 80% é realizado por meio de inundação, que é ineficaz. Este modelo é totalmente insustentável”, alerta Tessler. “Aqui, no Brasil, os números não são tão diferentes. Dos 5,2 milhões de hectares irrigados, cerca de 50% são manejados com inundação; 46% por aspersão e apenas 4% por gotejamento (irrigação inteligente)”, disse.

“Apesar da abundância em recursos hídricos, já temos muitos conflitos em relação ao consumo da água. Exemplos não faltam – Cerrado mineiro, Cristalina, Paracatu, Goiás, Brasília. No Nordeste, em estados como o Ceará e o Rio Grande do Norte, o problema é seríssimo”. De acordo com Tessler, os impactos gerados pela adoção da irrigação estão diretamente relacionados à questão da segurança alimentar, porque refletem em aumento de produtividade e de geração de renda.

A expectativa da CSEI é de que o crescimento da irrigação seja de cerca de 200 mil hectares/ano. “A agricultura será cada vez mais cobrada pelo uso da água, bem como já são indústria e consumidores. E a irrigação vai ao encontro de uma agenda positiva e de oportunidade para o Brasil neste processo de abastecimento pela demanda por alimentos no mundo”, finalizou.

Cartilha

Em dezembro de 2017, a Secretaria da Agricultura do Estado lançou a cartilha “Uso racional da água na agricultura“, editada pela Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), com supervisão técnica do engenheiro agrônomo Mário Ivo Drugowich, especialista no tema conservação do solo.

Com 35 páginas, a publicação apresenta, de forma simples, as principais práticas difundidas pela Secretaria para que as ações da agricultura não comprometam a qualidade e a quantidade de água. A cartilha aborda conceitos sobre irrigação, proteção de nascentes com plantio de mata ciliar, conservação do solo e tecnologias voltadas à irrigação, que têm o objetivo de reduzir o consumo de água, tornando-o mais eficiente.

 

 

 

 

 

 

 

São Paulo recebe evento de tecnologia aplicada para o agronegócio

Em sua 1ª edição, Agrifutura espera receber 5 mil pessoas

AgrifuturaEm 3 e 4 de março, São Paulo será palco de um evento que reunirá institutos, empresas, startups, pesquisadores e produtores para conhecer e discutir inovações tecnológicas dos mais diversos setores do agronegócio. Organizado pela Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa do Agronegócio (Fundepag) em parceria com a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e o Instituto Biológico, o Agrifutura contará com exposição e painéis. “Teremos a participação tanto de empresas já bastante consolidadas no mercado como também de startups. O produtor que vier encontrará desde a nova variedade de citrus como de tecnologias via satélite”, diz Carlos Henrique Paes de Barros, coordenador do evento.

“Contaremos com um hackathon também, em que agricultores terão a oportunidade de obter soluções sugeridas por programadores e especialistas a problemas ligados ao clima, doenças e pragas e comercialização de produtos, por exemplo”, completa Barros.

Para a primeira semana de fevereiro, o evento deve iniciar as inscrições para a participação de startups interessadas. Serão selecionadas 24.

A expectativa da coordenação é de que o evento receba 5 mil pessoas. Para inscrições e outras informações, acesse o site.

Serviço

O quê? Agrifutura

Onde? Instituto Biológico | Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 1252 – Vila Mariana | São Paulo/SP

Quando? 3 e 4 de março