Fraude no azeite

84 empresas foram autuadas; fiscalização constatou presença de óleo não refinado em 64 marcas

azeite de olivaO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) retirou do mercado 800 mil litros de azeite de oliva impróprio para o consumo, envolvendo 64 marcas e 84 empresas brasileiras, que apresentaram indícios de fraude. Foi confirmada a presença de azeite lampante (não refinado) e outros óleos, como de soja, não permitidos na legislação. Em 311 amostras coletadas em todo o país, constatou-se também erros de informação nos rótulos.

De acordo com o Mapa, 33 amostras apresentaram “resultados conformes” (dentro dos padrões de qualidade). Em 43 amostras, os exames laboratoriais resultaram “não conformes”, por se enquadrarem como “fora do tipo”, ou “desclassificado”. A comercialização foi suspensa e os produtos retirados do mercado. Além das disparidades qualitativas relacionadas ao produto foram identificadas ainda irregularidades na rotulagem, contendo informações incorretas ou dúbias quanto à composição do produto envasilhado, o que resultou na retirada de 380 mil litros do mercado.

Praticamente 100% das marcas envasilhadas no Brasil apresentaram problemas, enquanto que nas marcas envasilhadas no país de origem são mínimos os índices de não conformidade.

Na hora de comprar

O Mapa orienta os consumidores a ficarem atentos à denominação de venda do produto, descrito no rótulo frontal, já que as empresas induzem o consumidor a erro.

O termo “azeite de oliva” aparece em destaque, mas em letras miúdas constam as expressões “óleo misto ou composto, temperos e molhos”.

Para saber quais são as marcas de produtos conformes e não conformes, acesse http://bit.ly/2k7GuWe e http://bit.ly/2jsJ19k respectivamente.

*Com informações do Mapa