Índice de confiança volta a crescer no agro

Após um período de oito trimestres de pessimismo, ICAgro tem aumento de 19,5 pontos

desafio produtividade soja

Na tarde desta 2a feira (15) teve início a programação de palestras e debates programados para o VI Congresso ANDAV, a Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários, em São Paulo. Direcionado para o setor de distribuição de insumos agropecuários, o evento reúne, até 4a feira (17), empresas, técnicos, especialistas e consultores para discutir os impactos do cenário político e econômico atual e também para apresentar perspectivas para o agronegócio.

Para falar sobre aspectos econômicos e políticos e seus impactos no setor, o gerente do Departamento de Agronegócios da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Antônio Carlos Costa, apresentou os últimos números do Índice de Confiança do Agronegócio (ICAgro), calculado pela FIESP e pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

Antes, no entanto, contextualizou os fundamentos da perda de confiança em 2015. “Havia no ano passado um ambiente de incertezas, pessimismo e de resultados negativos”, disse. “Observamos que neste contexto, o agronegócio é aderente ao comportamento de outros setores analisados (comércio, serviços, indústria, construção). Ainda que o produtor estivesse confiante em seu negócio, diante deste cenário, ele pisou no freio”, disse Costa para mostrar que o setor não está isolado da Economia.

Em 2013, primeiro ano em que houve medição do índice de confiança para o agronegócio, a pontuação foi de 104,4; em 2015, de 88,4. “Em 2013, uma das últimas preocupações do produtor rural era o crédito agrícola. A preocupação com isso, no entanto, foi crescendo e atingiu 60% dos entrevistados em 2015”, apontou.

“Neste ano, queríamos saber se o produtor é pessimista por natureza e verificamos que, após um período de oito trimestres de pessimismo, tivemos um aumento de 19,5 pontos no índice, atingindo 102,1 pontos. Isso significa que o setor está confiante novamente para investir”, explicou. “A expectativa é de que a Economia melhore atrelada ao cenário político”, completou.

“Se o governo não atrapalhar, o Brasil amplia sua participação global como fornecedor de alimento, principalmente em função da demanda chinesa. Se ele ajudar, as projeções que estão sendo feitas hoje estarão muito aquém e eu espero que estejamos errados”, concluiu.

O ICAgro é dimensionado com agricultores, pecuaristas e 50 indústrias. A escala de pontuação do índice vai de zero a 200.