ABMRA divulga dados da 7ª Pesquisa Hábitos do Produtor Rural

Aumento no uso de tecnologias e participação das mulheres em funções de decisão na propriedade foram alguns destaques do estudo

cecafe_prod_info_3Por meio de propagandas a respeito do campo, veiculadas com um intervalo de 38 anos, a Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA) apresentou alguns resultados da sétima edição da Pesquisa Hábitos do Produtor Rural. “Em 1979, falava-se em êxodo rural”, disse Ricardo Nicodemos, diretor de Pesquisas da ABMRA, referindo-se à Campanha que tinha como mote “Quando o campo é pobre, a esperança vem morrer na cidade”; “Hoje, temos “Agro – a indústria-riqueza do Brasil”, a campanha veiculada pela Rede Globo de Televisão que diz que ‘agro é pop, agro é tech, agro é tudo’.

Associada à essa mudança, o diretor falou também a respeito do PIB agrícola e, consequentemente, da importância e da participação do setor na Economia do País. “Em 1994, o PIB Agropecuário foi de US$ 35 milhões. Em 2016, o valor foi de US$ 1,8 trilhão”, pontuou.

A pesquisa ouviu 2.835 agricultores e pecuaristas de 15 estados de todas as regiões do Brasil e mostrou o perfil desses produtores em relação a dados demográficos, hábitos de compra, envolvimento com novas tecnologias e mídias, fontes de informação, compra e uso de insumos etc. “Observamos que a idade média dos produtores hoje é de 46,5 anos – 3,1% menor em relação ao estudo feito em 2013 e que 21% deles têm curso superior. Isso nos mostra que há um interesse da nova geração em fazer parte da gestão da propriedade rural”, disse Marcelo Claudino, diretor de Inteligência de Negócios da FNP Informa, instituto responsável pela pesquisa.

“Outro dado interessante refere-se à presença das mulheres em funções de decisão nos empreendimentos rurais. Hoje, 1/3 (31%) das propriedades apresentam mulheres no gerenciamento e, ainda de acordo com o estudo, 81% consideram a participação das mulheres vital ou muito importante”, completou.

Em relação à exposição dessa população aos meios de comunicação, a televisão é o veículo mais usado, seguido do rádio e da internet. Jornais e revistas apresentaram queda em relação à última pesquisa de 2013.

Uma outra mudança apontada pelo estudo foi o uso de smartphones, que na edição anterior mostrou que 17% dos produtores usavam a tecnologia; hoje é de 61%. Além disso, cerca de ¾ dos produtores têm acesso à internet e usam redes sociais. “Desse universo, 96% usa o Whatsapp, 67% o Facebook, 24% o Youtube.

Como o agro se enxerga e como é enxergado

Segundo a pesquisa, 68% dos produtores rurais se dizem otimistas em relação à sua atividade e 91% diz ter orgulho em ser produtor rural. Mas quando a pergunta se refere à percepção da população urbana sobre o campo, “mais de 50% respondeu que as pessoas precisam conhecer mais sobre a realidade da população rural e de suas dificuldades”, disse Marcelo Claudino.

“Tem se buscado melhorar a imagem do agronegócio, mas não há preocupação da mídia em divulgar uma imagem positiva do setor. Embora sejamos um pilar da economia de nosso país, ainda não somos motivo de orgulho dos brasileiros, como acontece no futebol, por exemplo”, finalizou Jorge Espanha, presidente da ABMRA.

Caravana da Produtividade dá largada à sua segunda edição

Com cinco equipes simultâneas, o projeto percorrerá 136 cidades em 19 estados dos principais polos pecuários do Brasil

pedro-bacco_caravana-da-produtividade

Pedro Bacco, diretor da àrea de Negócios de Grandes Animais da Merial Saúde Animal

Pela segunda vez, a Caravana da Produtividade põe o pé na estrada para percorrer os principais polos pecuários do Brasil. Com largada prevista para a próxima quinta-feira, 15/9, o projeto é uma realização da Merial Saúde Animal, DSM Tortuga, Dow AgroSciences, JBS e Volkswagen. “Vamos ampliar o trabalho realizado em 2015. Para isso, teremos cinco unidades móveis se locomovendo simultaneamente em diferentes regiões do País. Ao todo, visitaremos 136 cidades em 19 estados, o que corresponde a 72 mil Km rodados em 10 semanas, de setembro a novembro”, explicou em coletiva de imprensa realizada nesta manhã (12), Pedro Bacco, diretor da área de Negócios de Grandes Animais da Merial Saúde Animal.

A Caravana tem uma programação que envolve 480 visitas, cerca de 50 eventos, entre jantares, palestras e dias de campo. “Queremos impactar 2.500 pecuaristas diretamente”, anseia Bacco. A equipe 1 percorrerá os Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná; a 2 – São Paulo e Mato Grosso do Sul; a 3 – Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais e Goiás; a 4 – Bahia, Sergipe, Pernambuco, Tocantins, Maranhão, Ceará e Pará e a 5 – Mato Grosso, Rondônia e Acre.

caravana-da-produtividade_representantes-empresas

Representantes das empresas parceiras durante coletiva de imprensa realizada na manhã desta segunda-feira

De acordo com o diretor de Negócios da Merial, será realizado um forte trabalho junto às revendas com o objetivo de difusão de tecnologias para o setor. “O uso de tecnologia é diretamente proporcional à qualidade do produto final. Nossa meta é falar com o maior número de pecuaristas possível e, para isso, precisamos contar com a ajuda dos balconistas, que serão qualificados para orientar os produtores neste sentido”, diz Bacco. “A concentração existe e sempre vai existir; precisamos é fazer com que os pecuaristas que têm risco de serem excluídos pela intensificação tecnológica dos mais eficientes sejam mais impactados com este trabalho”, acrescenta.

O projeto conta também com o apoio da Assocon, Inttegra, Apta, ABMRA, Agroconsult e ABCZ.

Os resultados da Caravana devem ser apresentados na primeira semana de dezembro de acordo com a Merial, empresa idealizadora da ação.

Congresso apresenta cases de sucesso em Marketing

Pelo 12º ano, ABMR&A realiza Congresso de Marketing Rural e Agronegócio para discutir desafios e apontar caminhos para a comunicação em momentos de crise

Congresso ABMR&A 2015 - Fotos Marcos Suguio (22)Reunindo empresários, especialistas e lideranças do setor, a Associação Brasileira de Marketing Rural & Agronegócio (ABMR&A) realizou em São Paulo seu 12º Congresso sob o tema “Estratégias de Marketing bem construídas superam grandes desafios”.

Para abrir os painéis do período da tarde, José Luiz Tejon, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e da ABMR&A, abordou o efeito do Marketing na agrossociedade. Para tanto, o especialista falou sobre a rápida transformação pela qual passa o planeta e os desafios do agronegócio diante de uma nova era em que se valoriza o imediato e o midiático.

Tejon falou também dos desafios pelos quais o agronegócio brasileiro terá de superar para ter um papel estratégico de provedor de alimentos para o mundo em 2050. “Preço de terra, população, desperdício de alimentos e insumos, consumidor mais exigente, ciência com maior capilaridade, entendimento sobre o funcionamento das cadeias produtivas e mudança de mentalidade do produtor rural. Tudo isso passa necessariamente pela comunicação, pelo marketing”, disse.

Congresso ABMR&A 2015 - Fotos Marcos Suguio (150)

Laís Gouveia Rosin, líder no case de sucesso de Neosaldina, no Congresso da ABMR&A

Na sequência, marcaram presença no encontro, Silvio Celestino, sócio-diretor da Alliance Coaching, que apontou caminhos para liderança conduzir sua equipe em momentos turbulentos. “Num mundo em constante transformação, é fundamental adaptar-se às novas tecnologias e usá-las em seu favor”, disse Celestino; e Laís Gouveia Rosin, líder no case de sucesso de Neosaldina. A profissional mostrou como as estratégias de marketing mudaram o cenário no qual o produto estava inserido e levaram a marca a uma outra realidade. Laís apresentou as cinco fases do case em 11 anos de trabalho, que teve como resultado 17 prêmios conquistados, além do título de maior marca do mercado. “Queríamos trazer leveza, modernidade para o produto sem perder o DNA da eficiência”, disse.

Congresso ABMR&A 2015 - Fotos Marcos Suguio (163)

Ricardo Chueri de Souza, diretor de Marketing da Jacobs Douwe Egberts

Ricardo Chueri de Souza, diretor de Marketing da Jacobs Douwe Egberts, encerrou o ciclo de palestras. Souza contou como a maior empresa de cafés e chás do mundo faz a diferença e consegue agregar valor a um produto que originalmente é uma commodity. Foco em qualidade em toda a cadeia, investimento em campanhas de TV, diversificação na oferta de produtos e presença forte no varejo foram alguns pontos destacados por ele.

O encontro foi encerrado por Ricardo Nicodemos, diretor administrativo e financeiro da ABMR&A, que agradeceu a presença de todos os palestrantes e do público.