Trabalhos universitários com foco na agricultura familiar e no empreendedorismo são destaque em premiação

Comunidades do Ceará e Alagoas foram diretamente beneficiadas com os projetos

pirotec

“São muito responsáveis e comprometidos a mudar o mundo”. É assim que Valéria Militelli, presidente da Fundação Cargill, fala a respeito dos jovens premiados este ano no Prêmio Alimentação em Foco, realizado pela instituição em parceria com a organização Enactus Brasil.

Os dois projetos contemplados, desenvolvidos por estudantes universitários dos estados do Ceará e Alagoas, tiveram como foco a agricultura familiar e o empreendedorismo. O ganhador do primeiro lugar – Projeto Mudas – do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE Iguatu) desenvolveu uma tecnologia para auxiliar na irrigação e no controle eficiente da água. Batizado de PIROTEC, o equipamento é constituído de palito de pirulito, arame e prego, ao custo de R$0,07. “Nosso objetivo era de que o projeto pudesse chegar às famílias nos âmbitos social, ambiental e econômico. Para isso, além de apresentar a tecnologia aos produtores, realizamos treinamentos no campo e demos orientações nas áreas jurídica e financeira”, explica Kevin Brasil, estudante de Química e líder do projeto, constituído por 21 membros.

“Em dois anos, conseguimos com que 966 pessoas fossem impactadas diretamente por meio de cursos de informática, capacitações técnicas, serviços de saúde gratuitos e tratamentos estéticos. Tornamos 920 m², antes improdutivos, em uma área produtora de verduras e hortaliças, que são vendidas em feiras e no comércio local. Com isso, garantimos a 15 famílias um aumento de R$ 800 na renda de cada uma delas. Além disso, realizamos também um curso de processamento de alimentos para as mulheres e, a partir dele, montamos a 1ª fábrica”, anima-se o estudante.

O Mudas conseguiu ainda, durante este período, trabalhar com educadores e crianças de duas escolas do município a implementação de hortas. “O projeto mostrou que, com muito pouco, é possível transformar uma paisagem amarela em verde esperança porque é isso que todos merecem. Queremos que mais e mais pessoas conheçam e tenham acesso à tecnologia e, com isso, consigam uma alimentação digna e uma qualidade de vida melhor”, anseia Kevin.

O outro trabalho que recebeu destaque foi desenvolvido por alunos da Universidade Federal de Alagoas. “Amitis era o nome de uma princesa, esposa do rei Nabucodonosor II, para quem ele projeto Amitisconstruiu os Jardins Suspensos da Babilônia. E como nosso objetivo era trabalhar com mulheres, usando a técnica da hidroponia, resolvemos adotar o nome da princesa”, explica Matheus Mendonça, estudante de Design e representante do projeto.

“A técnica que usamos se diferencia da convencional porque utiliza garrafas pet e casca de arroz carbonizado”, explica. “Queríamos trabalhar com o público urbano. Começamos pela comunidade Village Campestre II, um dos bairros mais carentes de Alagoas. O trabalho, além de proporcionar uma melhora significativa na alimentação das famílias, propiciou a comercialização de produtos como tomate cereja e maracujá, que têm valor agregado. Estamos agora em fase de prospecção, buscando parceria com ONGs que atuem no Sertão”, finaliza Mendonça.

Os trabalhos receberam da Fundação Cargill, 7 mil reais e 5 mil reais para o primeiro e segundo lugar, respectivamente. Os interessados podiam se inscrever em quatro categorias: agricultura familiar; combate ao desperdício de alimentos; educação alimentar e empreendedorismo na cadeia de valor da alimentação.

Produtores rurais do NE poderão renegociar dívidas contraídas até 2016

Medida quer minimizar os impactos na produção e na renda dos agricultores atingidas pela seca

Redação*

água_MorguefileDiário Oficial da União publicou nesta semana medida que permite renegociação de débitos de agricultores do Nordeste com empréstimos para atividades rurais contratados no período que vai de 1° de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2016.

O objetivo da resolução é minimizar os impactos na produção e na renda de produtores rurais atingidas pela seca. Os interessados têm até 29 de dezembro deste ano para manifestar a intenção de renegociar suas dívidas. Para isso, devem procurar a agência bancária onde o empréstimo foi contratado.

A medida estabelece prazo de pagamento até 2030, com a primeira parcela somente em 2021. Os encargos financeiros serão os mesmos da ocasião em que o contrato foi celebrado e os agricultores devem residir em municípios que tenham obtido reconhecimento federal de situação de emergência, em decorrência de seca ou de estiagem.

Efeitos

Em nota, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) defende que a possibilidade de renegociação seja estendida a toda área de abrangência da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), independente da decretação de estado de emergência ou calamidade pública.

O texto diz “A seca que atingiu estas regiões, considerada uma das piores nos últimos 100 anos, prejudicou a produção agropecuária e causou prejuízos sociais e econômicos incalculáveis. A CNA defende que a renegociação também inclua contratos feitos antes de 2012 e a retirada do dispositivo que proíbe a contratação de novas operações de investimento”.

Banco do Nordeste também se manifestou, ressaltando a importância da medida, uma vez que mais de 95% dos beneficiados com a resolução são agricultores familiares, mini ou pequenos produtores. A entidade diz também que mais de mil municípios decretaram estado de calamidade e emergência por conta de estiagem.

*Com informações da Agência Brasil

 

Belo Horizonte recebe 11ª AgriMinas

Evento promove Agricultura Familiar no estado

Redação*

AgriMinasDe 5 a 9 de julho, Belo Horizonte vai receber a maior feira de agricultura familiar do estado – a AgriMinas. Promovida pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (FETAEMG), a feira, que neste ano está na sua 11ª edição, é considerada uma grande vitrine para a categoria, além de ser uma oportunidade de negócio.

De acordo com a FETAEMG, no ano passado, o evento movimentou cerca de R$ 4 milhões. A expectativa dos organizadores é de que recebam 60 mil visitantes entre consumidores, agricultores, técnicos, estudantes e lideranças.

Serão realizadas também palestras e oficinas. “A cada edição, a FETAEMG capacita centenas de agricultores e agricultoras no que se refere a melhorias no processo de produção de alimentos, cooperativismo e legislação tributária. Além de incentivar a inovação tecnológica nos processos produtivos sem perder a identidade que cada produto tem”, diz Vilson Luís da Silva, presidente da Federação e idealizador do evento.

Para outras informações, acesse www.fetaemg.org.br/agriminas

Serviço

O quê? 11ª AgriMinas

Onde? Serraria Souza Pinto | Av. Assis Chateaubriand, 809 – Centro | Belo Horizonte/BH

Quando? De 5 a 9 de julho

*Com informações da assessoria de imprensa