Soja é responsável por somente 1,2% do desmatamento da Amazônia, conclui relatório

Informação é de documento da Moratória da Soja, acordo firmado há 11 anos por Governo, produtores e representantes da sociedade civil

Redação*

Aprosoja-JM-lowres-300x199Embora a área de plantio de soja tenha triplicado nos últimos 11 anos (de 1,14 milhão de hectares na safra 2006/2007 para 4,48 milhões de hectares durante a safra de 2016/2017), a oleaginosa respondeu somente por 1,2% do total desflorestado por corte raso (quando há remoção absoluta da vegetação de um local) na Amazônia. A informação é do relatório anual divulgado ontem (10) pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) e encomendado pelo Grupo de Trabalho da Soja (GTS).

O anúncio foi feito em reunião no Ministério do Meio Ambiente com entidades como a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais, que firmou compromisso proposto em 2006 pela Abiove, para impedir, a partir do segundo semestre de 2008, práticas em desacordo com o Código Florestal relacionadas ao cultivo do produto na região. Chamado de Moratória da Soja, o acordo envolve, além do governo e produtores, representantes da sociedade civil, como Greenpeace, WWF Brasil, The Nature Conservancy, o Earth Innovation Institute e o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola.

Foi com base no monitoramento de 89 municípios de sete estados – Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Amapá, Maranhão e Tocantins – que se concluiu que 98,8% do desmatamento não foram causados pela conversão de florestas para a sojicultora e que a redução média dos danos às florestas nos locais da cobertura foi de 85%, passando de 6.847 Km²/ano, no período de 2002 a 2008, para 1.049 Km²/ano, de 2009 a 2016. Além disso, a equipe evidenciou que apenas nove municípios concentravam 62% da soja preparada em uma cadeia irregular. Os sete estados abrangem 97% da área plantada dos sojicultores do bioma.

O documento traz ainda que Mato Grosso foi o estado que mais se desviou das técnicas que evitam a devastação, com um total de 36,1 mil hectares (76,3%) deteriorados. Em seguida, vieram Pará, com 7,4 mil hectares (15,7%), e o Maranhão, com 2,2 mil hectares (4,7%). Muito do sucesso considerado pelo grupo foi atribuído à ideia de que produtores souberam aproveitar áreas de pastagens, que já haviam sofrido danos em períodos que antecederam o pacto nacional de desmatamento zero.

As imagens captadas mostraram também que 47,4 mil hectares de plantio de soja, na safra 2016/17,em desflorestamentos realizados no bioma desde 22 de julho de 2008, sinalizando um aumento de 27,5% (37,2 mil há) em relação à safra passada, de 2015/2016. No decorrer dos últimos oito anos, foram desflorestados 4.107 mil ha na Amazônia, sendo que nos 89 municípios avaliados, na safra 2016/17, a área desflorestada foi de 839 mil ha, ou 20% desse total.

Com a moratória, a taxa média de desflorestamento observada nesses municípios foi 6,5 vezes menor do que no intervalo de 2002 a 2008.

Uma preocupação expressa durante a apresentação do relatório foi a de amplificar a moratória do bioma Amazônia para o Cerrado, que segundo os presentes ao encontro, é particularmente complexo.

*Com informações da Agência Brasil

Parceria entre a Agropalma e a Conservação Internacional completa 10 anos

Empresa e ONG desenvolveram projeto visando a produção sustentável do óleo de palma na Amazônia

Divulgação Agropalma

A Agropalma, braço do conglomerado Alfa, e a ONG ambiental Conservação Internacional (CI-Brasil) comemoram neste mês de dezembro dez anos de uma parceria que tem como objetivo garantir a proteção das florestas e promover a recuperação de áreas degradadas no CEB (Centro de Endemismo de Belém), no Pará, uma das regiões mais ricas e mais ameaçadas da Amazônia, e onde a empresa conta com seis unidades de extração de óleo. Nas comemorações, a divulgação, durante este mês nas redes sociais , de uma série de vídeos e materiais informativos abordando a parceria, mostrando o trabalho realizado e os resultados conquistados.

O projeto prevê difundir um modelo de produção sustentável do óleo, introduzindo novos modelos de produção e planejamento territorial, para ajudar os produtores locais e fixá-los na terra, procurando ainda minimizar os impactos negativos da produção, para conservar e recuperar o ambiente. Hoje, o CEB conta com mais de 1.000 famílias produtoras de palma sustentável e a região é responsável por 90% da produção nacional do óleo.

Engajamento

“É possível continuar produzindo óleo de palma, algo tão importante para a produção de alimentos no mundo, conservando e produzindo natureza”, assegura Rodrigo Medeiros, vice-presidente da CI-Brasil. Para ele, aliar-se a empresas tem sido mais efetivo do que simplesmente combatê-las. “As empresas são parcela significativa da economia e usam parcela igualmente significativa dos recursos naturais. Então, um futuro mais sustentável indubitavelmente passa pelo engajamento desses atores e a transformação do setor para melhores práticas”, diz.

“Estabelecemos essa parceria com uma ONG ambiental focada em ciência, de renome internacional, que pode nos trazer, além de expertise, uma visão sustentável de interação entre negócios e proteção da biodiversidade. Os benefícios palpáveis advindos do conhecimento da riqueza biológica local nos proporcionam elaborar as estratégias de controle, segurança, proteção. O fato de ser uma ONG internacional dá garantias e reconhece a qualidade do trabalho efetuado”, diz, por sua vez Marcello Brito, diretor executivo da Agropalma, que está instalada no município de Tailândia desde 1982 e hoje emprega 4.500 mil colaboradores.

Sobre os próximos passos após os dez anos de trabalho conjunto, já que a parceria continua, Brito diz que a empresa está estudando um plano de conexão de corredores ecológicos na sua região de atuação, que deve beneficiar a proteção e multiplicação da fauna.

Duas realidades

Por Coriolano Xavier*

23.03.2012 - ANDEF Fotos: Tatiana FerroEm 2004, houve um desmatamento de 28.000 km² de floresta na Amazônia. De lá para cá, houve um recuo de 80% no ritmo anual de derrubada da floresta até 2015, quando então cresceu 24%. Em 2016 mais um avanço de 28%, com quase 8.000 km² desmatados, indicando talvez o começo de uma tendência ascendente.

Em relação a 2014, a derrubada de 2016 mostra aumento de 60%. Mais de um terço ocorreu em terras públicas não destinadas (25%) e áreas protegidas (12%); também em áreas privadas (35%) e assentamentos (28%). Mas não é tão simples assim. Por trás desses números se escondem histórias de grilagem de terras públicas, invasão de áreas privadas, extração ilegal, registros falsos, confrontos armados com a fiscalização. Verdadeiros casos de polícia.

E o argumento de que o desmatamento é fator de progresso econômico na região parece não se sustentar muito, segundo dados do Ipam e Imazon¹. Eles mostram que entre 2004 e 2015 o PIB agrícola da Amazônia cresceu de R$ 15 bilhões para R$ 50 bilhões, enquanto a derrubada anual caiu de 28.000 km² (pico histórico) para 7.000 km². Antes disso, o ritmo da derrubada era maior do que a evolução do PIB agrícola.

Como contraponto à pirataria florestal, observa-se na região o crescimento gradual de sistemas agroflorestais tecnificados (em assentamentos ou operações de maior escala), que melhoram progressivamente seus resultados de produtividade e manejo adequado da floresta. Ainda são poucos, mas representam um rompimento com o modelo de desmatamento e criação extensiva, que se esgota em poucos anos e deixa um saldo de solo degradado.

Enquanto isso, a Embrapa Monitoramento por Satélite divulgou em junho um estudo de dados geocodificados do Cadastro Ambiental Rural (CAR)², analisando o impacto da agricultura no meio ambiente, em quase 4 milhões de imóveis rurais cadastrados até dezembro de 2016, em 5.570 municípios. Eles representam 400 milhões de ha e neles foram detectados 170 milhões de ha de vegetação nativa preservada dentro dos imóveis, entre áreas de preservação permanente e reservas legais.

As análises da Embrapa mostram que, no seu conjunto, “os produtores preservam em vegetação nativa uma parcela dos imóveis superior à exigida pelo Código Florestal, que é de no mínimo 20%”. Nas áreas agrícolas do Sul, os agricultores preservam em média 26% das terras, no Sudeste 29% e no Centro-Oeste 49%. Mato Grosso do Sul, Espírito Santo e parte do Nordeste ainda não estão incorporados ao CAR, mas a Embrapa projeta que a tendência das análises tende a se manter em todas as regiões.

São duas realidades bem distintas nessa questão ambiental. De um lado, a surpresa dos estudos da Embrapa, mostrando que estigmatizar a agricultura como vilã da preservação da vegetação nativa pode não ter fundamento. Desrespeitos às regras ambientais pelo país afora serão encontrados, certamente. Mas essa não parece ser a regra. Ao contrário, do ponto de vista da legislação ambiental o agricultor – no seu conjunto – parece estar com saldo positivo.

Já na Amazônia, o desafio ainda é a recorrente pirataria florestal, que acaba sempre virando manchete da mídia internacional. Contra ela a solução parece que passa principalmente pelo fortalecimento de políticas públicas de controle, que estão fragilizadas nesse Brasil de crise e cofres públicos esgotados. Requer também um estímulo maior à reconfiguração tecnológica do agro regional e, talvez, até a criação de incentivos econômicos à proteção do ambiente, pagando por benefícios ecossistêmicos e tornando a preservação mais rentável do que a derrubada predatória da floresta. Tudo isso, é claro, caminhando junto.

Esta é uma boa causa a ser apoiada e propagada pelas lideranças do setor, pois diz respeito a um problema que pode interferir no bolso e no futuro de todos. Afinal, já temos segurança alimentar, o país caminha para ser o maior produtor agrícola mundial e não devemos deixar que queimem a imagem e o conceito do agro brasileiro no mercado internacional.

(1)     Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) e Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), in Exame, ed. 5 julho 2017.

(2)    Análises geradas pelo Gruto de Inteligência Territorial Estratégica (Gite), da Embrapa.

*Vice-Presidente de Comunicação do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM.