Volume de bovinos confinados cresce 5,5% em relação ao ano passado

Dado é da Assocon, que prevê estabilidade no setor para 2018

gadoO número de bovinos em confinamento deve ficar em torno de 3,4 milhões de animais em 2017. A previsão é da Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon). O levantamento foi realizado em 1400 unidades e representa um crescimento de 5,5% em relação ao mesmo período do ano passado. “O terceiro trimestre do ano apresentou sinal de firmeza nos preços. Não enxergamos oscilações até o fim do ano”, disse Bruno Andrade, gerente executivo da Assocon. O valor da arroba hoje é cerca de R$ 143.

A Associação realizou o estudo em mais três momentos do ano – em março, cuja estimativa foi de 4 milhões de cabeça, um volume que representaria um aumento de 25% ante o mesmo período de 2016; em junho, com um tímido crescimento de 1% e 3,24 milhões de cabeças e em setembro, com 3,28 milhões, representando um crescimento de 2,5%. “Em junho, a estimativa caiu por conta da Operação Carne Fraca e as delações dos irmãos Batista (JBS) e, no período seguinte, voltou a crescer. Ainda que a intenção de confinamento tenha retomado, outros fatores influenciaram o resultado, como o aumento do preço do milho”, disse Andrade.

Para 2018, a Assocon prevê um cenário de estabilidade. A perspectiva é de que haja entre 3,4 milhões e 3,8 milhões de bovinos confinados. “Prevemos um aumento na oferta de animais. Para quem vai confinar no primeiro semestre, a recomendação é comprar milho agora”, recomenda.

 

 

Caravana da Produtividade dá largada à sua segunda edição

Com cinco equipes simultâneas, o projeto percorrerá 136 cidades em 19 estados dos principais polos pecuários do Brasil

pedro-bacco_caravana-da-produtividade

Pedro Bacco, diretor da àrea de Negócios de Grandes Animais da Merial Saúde Animal

Pela segunda vez, a Caravana da Produtividade põe o pé na estrada para percorrer os principais polos pecuários do Brasil. Com largada prevista para a próxima quinta-feira, 15/9, o projeto é uma realização da Merial Saúde Animal, DSM Tortuga, Dow AgroSciences, JBS e Volkswagen. “Vamos ampliar o trabalho realizado em 2015. Para isso, teremos cinco unidades móveis se locomovendo simultaneamente em diferentes regiões do País. Ao todo, visitaremos 136 cidades em 19 estados, o que corresponde a 72 mil Km rodados em 10 semanas, de setembro a novembro”, explicou em coletiva de imprensa realizada nesta manhã (12), Pedro Bacco, diretor da área de Negócios de Grandes Animais da Merial Saúde Animal.

A Caravana tem uma programação que envolve 480 visitas, cerca de 50 eventos, entre jantares, palestras e dias de campo. “Queremos impactar 2.500 pecuaristas diretamente”, anseia Bacco. A equipe 1 percorrerá os Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná; a 2 – São Paulo e Mato Grosso do Sul; a 3 – Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais e Goiás; a 4 – Bahia, Sergipe, Pernambuco, Tocantins, Maranhão, Ceará e Pará e a 5 – Mato Grosso, Rondônia e Acre.

caravana-da-produtividade_representantes-empresas

Representantes das empresas parceiras durante coletiva de imprensa realizada na manhã desta segunda-feira

De acordo com o diretor de Negócios da Merial, será realizado um forte trabalho junto às revendas com o objetivo de difusão de tecnologias para o setor. “O uso de tecnologia é diretamente proporcional à qualidade do produto final. Nossa meta é falar com o maior número de pecuaristas possível e, para isso, precisamos contar com a ajuda dos balconistas, que serão qualificados para orientar os produtores neste sentido”, diz Bacco. “A concentração existe e sempre vai existir; precisamos é fazer com que os pecuaristas que têm risco de serem excluídos pela intensificação tecnológica dos mais eficientes sejam mais impactados com este trabalho”, acrescenta.

O projeto conta também com o apoio da Assocon, Inttegra, Apta, ABMRA, Agroconsult e ABCZ.

Os resultados da Caravana devem ser apresentados na primeira semana de dezembro de acordo com a Merial, empresa idealizadora da ação.

Phibro aposta no investimento em extensão rural

Fabricante de produtos para nutrição animal, assim como outras empresas do setor, tem apoiado treinamentos para melhor qualificar a mão de obra que atua nas propriedades rurais

Divulgação Phibro

Investir em publicidade da marca e de seus produtos e marcar presença em eventos não têm sido mais as únicas formas de investimento em marketing por parte das empresas que oferecem insumos à pecuária. É o caso da Phibro Saúde Animal, uma das parceiras da Escola de Pecuária Intensiva, projeto desenvolvido pela Associação Nacional dos Confinadores (Assocon) que capacita os funcionários das propriedades pecuárias no melhor aproveitamento das modernas tecnologias em nutrição, sanidade, manejo de pastagens e gestão, entre outros assuntos.

“O conceito da Escola de Pecuária Intensiva vai ao encontro de um dos eixos da estratégia da Phibro, que é promover a extensão da educação em prol de uma pecuária mais eficiente e cada vez mais capaz de oferecer alimentos de qualidade e seguros”, afirma Newton Teodoro, gerente de bovinos da Phibro.

No programa da Escola, cuja edição 2016 teve início em fevereiro, a empresa leva aos participantes uma estratégia de aplicação prática do conceito do Boi 7-7-7, que impulsiona o aumento da produtividade na pecuária de corte, uma vez que o boi fica pronto para o abate com 21 arrobas aos 24 meses de idade.

O termo 7-7-7 surgiu em função do ganho de 7 arrobas no período de cria (até 8 meses de idade), 7 na recria (8 a 20 meses de idade) e 7 na engorda (20 a 24 meses de idade). O conceito foi criado por pesquisadores da unidade de Colina/SP da Agência Paulista de Tecnologia do Agronegócio (APTA) – Alta Mogiana, durante o Curso “Pecuária do Conhecimento”, idealizado pela Phibro, que mantém parceria público-privada com a agência pública para a realização de pesquisas de campo.

Valorização

“Encontramos nesse tipo de treinamento, como os da Escola da Assocon, uma oportunidade de estar perto de quem está no dia a dia do campo e vai executar as tarefas de manejo do rebanho. Esses profissionais, além de ampliarem seus conhecimentos, se sentem mais valorizados e passam a exercer suas atividades com melhor resultado”, diz Teodoro, para quem os resultados comerciais acabam sendo consequência dos investimentos em educação.

De acordo com o executivo, a empresa, que chegou ao Brasil em 2000, tem intensificado os investimentos em pesquisa e com uso aplicado dos seus produtos para bovinos nos últimos cinco anos, chegando a R$ 4,5 milhões no período somente com pesquisas no país. A Phibro também oferece produtos para suinocultura e avicultura.

Informações sobre os treinamentos da Escola de Pecuária Intensiva são encontradas em www.assocon.com.br  ou pelo tel.: (62) 3432-0395. O próximo evento acontece em Iaciara/GO, de 5 a 7 de abril, e, além da Phibro, conta com o patrocínio das empresas Lallemand, DSM Tortuga, Allflex, Beckhauser, Merial, Oxen Currais e Ttrutest.

 

Leia ainda: 

Treinamentos buscam qualificar mão de obra da pecuária