Bom pra saúde

Com a Páscoa chegando, a oferta de pescados aumenta; conheça os benefícios de seu consumo e aproveite

Redação*

SONY DSC

De 21 a 24 de março, acontecerá a já tradicional Santa Feira do Peixe, no Pátio do Pescado da CEAGESP. Em sua 11ª edição, a feira contará com cinco barracas de pescados e frutos do mar e duas de bacalhau e azeite.

No evento, os participantes ainda encontrarão uma barraca de legumes e verduras, uma de temperos e outra de panelas de barro. Serão vendidos também ovos de páscoa.

Neste ano, os destaques promocionais são a posta de cação a R$ 12,99, o quilo; o filé de pargasius a R$ 11,99, o quilo e o camarão cinza a R$ 19,99 o quilo.

Peixe e seus benefícios

Fonte de vitaminas e minerais, como cálcio e fósforo, o peixe ainda é rico em proteínas e tem baixa caloria. “O peixe é rico em proteína, assim como a carne vermelha, mas sua composição é bem melhor para a saúde, por causa da gordura insaturada, que protege o coração e reduz o risco de doenças oxidativas, como o câncer”, diz Adriana Miyuki Koizumi, nutricionista da rede de supermercados Hirota.

Confira os benefícios de alguns dos pescados mais encontrados no mercado:

Salmão – O salmão é rico em gorduras boas e apresenta uma combinação de elementos muito importante para a saúde óssea: vitamina D, proteína e ômega 3 – que, além de ser anti-inflamatório, ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares, pois auxilia na redução do colesterol total, do LDL e do triglicérides. Para evitar perda de massa óssea, é indicado conciliar o consumo regular desse tipo de peixe com prática constante de exercícios;

Merluza – Mais em conta, é um peixe que possui potássio, substância responsável por normalizar os batimentos cardíacos e minimizar os efeitos do sódio no corpo. Um filé (100g) tem cerca de 0,9g de gorduras totais, enquanto a sardinha enlatada, por exemplo, tem 24g. A merluza tem também uma boa quantidade de fósforo (273mg), o que ajuda o cálcio no fortalecimento ósseo;

Sardinha – Além de saborosa, a sardinha contém cálcio e vitamina D em boa quantidade, o que mantém os ossos mais fortes. Para se ter uma ideia, um prato com três sardinhas é tão ou mais benéfico para os ossos do que um copo de leite ou de iogurte. Se consumido com a espinha, o peixe pode proporcionar uma quantidade ainda maior de cálcio. Também é rico em ômega 3 e minerais, como o magnésio, ferro e vitamina A;

Bacalhau – Também rico em ômega 3 e vitamina D, tem ainda boa quantidade de cálcio. Mas é preciso ter cuidado, pois também contém alta quantidade de sódio, o que favorece a excreção de cálcio na urina. Antes de consumir o peixe, é importante retirar a crosta de sal que o envolve e deixá-lo de molho em água fria, dentro da geladeira, cortado em postas, por cerca de 24h. Troque a água por pelo menos três vezes.

Serviço

O quê? Santa Feira do Peixe

Onde? Portão 15 da CEAGESP | Rua Xavier Kraus (esquina com a Av. Nações Unidas) | Jaguaré, São Paulo/SP

Quando? De 21 a 24 de março, das 13h às 21h

*Com informações da assessoria da CEAGESP e rede de supermercados Hirota

 

Volteio – muito mais do que uma prática esportiva

Conheça um pouco da modalidade equestre, que além de força física, desenvolve o equilíbrio, a sensibilidade e a autoconfiança

volteio II_thais

A atleta Thais Tavaes Paes, em uma de suas apresentações.

Engana-se quem acha que o cavalo está restrito ao mundo rural e esportivo; seu valor vai além disso. Como exemplo, são vários os tratamentos de ordem terapêutica que recomendam a equitação como uma atividade que alia o esforço físico e os benefícios do contato com esse animal. Até no mundo corporativo, o polo é indicado como um esporte capaz de cultivar a liderança e a tomada de decisões rápidas. “Para mim, o cavalo simboliza força e ao mesmo tempo sensibilidade”, diz Thais Tavares Paes, atleta e treinadora de volteio há 17 anos.

Nas palavras da professora, “o volteio é uma ginástica olímpica encima de um cavalo a galope”. Desenvolve o equilíbrio, a força muscular, o reflexo do atleta e o domínio do corpo sobre o cavalo, entre outros benefícios. Podendo ser praticado por crianças a partir dos quatro anos e meio e indicado também para adultos, a modalidade equestre já é reconhecida como um esporte oficial. “Temos muitos atletas de nível no país, mas ainda não é uma prática constante. Em 2010, o Brasil conquistou a sexta colocação nos jogos equestres nos Estados Unidos”, conta Thais.

“Posso dizer pela minha experiência, que comecei a praticar com 11 anos e também pelo que observo como treinadora, o quanto o esporte é favorável, principalmente, para a formação das meninas. Além, claro da força física, as meninas sentem-se bem, mais bonitas, corajosas. É inegável o benefício que o volteio traz para autoestima”, revela Thais.

volteio_thaisO esporte pode ser praticado individualmente, em dupla ou em equipe. É acompanhado de um ritmo musical, em que os atletas executam diferentes figuras, enquanto o longeur (condutor do animal na guia) permanece no centro da pista. “Essa prática também desenvolve disciplina, autoconfiança e entrega. Você precisa confiar no longeur, no cavalo e aceitar ser conduzido”, diz a treinadora.