Produtor rural ganha cartilha sobre aproveitamento de resíduos da produção de bovinos de corte e de leite

Publicação, lançada esta semana pelo Mapa, traz orientações de como reduzir emissão de gases de efeito estufa, gerar renda e diminuir custos

Redação*

Imagem_rebanho_2O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) lançou cartilha sobre o aproveitamento econômico dos resíduos bovinos de corte e de leite. A publicação tem o objetivo de auxiliar o produtor a gerar renda a partir dos resíduos e diminuir os custos de produção e também de reduzir os efeitos de gases de efeito estufa (GEE).

O estudo promovido pelo Projeto “Pecuária de Baixa Emissão de Carbono: Geração de valor na produção intensiva de carne e leite”, como parte do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Plano ABC), coordenado pelo Mapa com apoio do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), identificou e selecionou as tecnologias de produção sustentáveis passíveis de serem implantadas nas condições de produção de bovinos de corte e leite em sistemas intensivos brasileiros.

A pesquisa contemplou as tecnologias de gestão racional da água e dos alimentos, implantação de biodigestores, geração de energia elétrica por meio do uso do biogás produzido pelos dejetos, compostagem mecanizada e também o sistema de cama de serragem.

As atividades descritas no estudo priorizam o aproveitamento econômico dos resíduos e o consequente aumento de renda dos pecuaristas. O material também contém informações que estimulam o uso adequado do biofertilizante.

Atualmente, a agricultura, incluindo a pecuária, contribui com 14% das emissões globais de Gases de Efeito Estufa (GEE), sendo o terceiro maior setor responsável pela emissão desses gases. Do total de emissões de metano (CH4) e óxido nitroso (N²O), a pecuária contribui em termos globais com 35% e 65% dos respectivos gases, sendo que a América Latina ocupa a segunda posição na lista dos principais emissores de metano entérico, responsável por 23,9% do total, ficando atrás da Ásia.

O material foi produzido por consultores que, em 2017, mapearam as alternativas sustentáveis e economicamente viáveis de tratamento dos dejetos. As tecnologias são preconizadas pelo Plano ABC. Os técnicos percorreram os principais estados produtores de bovinos de leite e corte em sistemas intensivos, centros de pesquisas e propriedades modelos em tratamento de resíduos.

A cartilha apresenta ainda uma análise de viabilidade econômica das tecnologias de tratamento de dejetos de bovinos mitigadoras de emissões de gases de efeito estufa. Os processos tecnológicos consistiram na geração de energia elétrica a partir do biogás produzido dos dejetos de bovinos tratados em biodigestores e na compostagem dos dejetos e produção de biofertilizantes.

*Com informações do Mapa

 

 

Cartilha orienta produtor sobre o preenchimento de nota fiscal

Lançado pela CEAGESP, material está sendo distribuído gratuitamente

NotafiscaldeprodutorComo forma de serviço educacional e com objetivo de adquirir informações corretas de origem, quantidade, variedade e preço de produtos que chegam diariamente aos entrepostos administrados pela CEAGESP (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), a Companhia lançou uma cartilha de orientação ao produtor para o preenchimento correto de Nota Fiscal. “Por meio do nosso sistema de informação, o produtor, o atacadista e o varejista podem ter acesso às informações relativas a produtos, preço etc. Tudo isso é feito via nota fiscal. Se há alguma falha no preenchimento desse documento, o sistema deixa de ter essa função de apoio à cadeia para tomada de decisões”, explica Anita de Souza Gutierrez, diretora do Centro de Qualidade Hortigranjeira (SECQH) da CEAGESP, e responsável pela elaboração da cartilha.

“Além disso, a nota fiscal é fundamental para a arrecadação de impostos sobre a produção (INSS – 2,1%), que retorna aos agricultores e municípios por meio do SENAR (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – 0,2%) e outros programas de valorização. No caso de um eventual atrito comercial, ela é o principal documento”, completa.

Segundo Anita, a falta de informação, ou seja, o detalhamento da mercadoria, é a maior falha do preenchimento da nota fiscal. “Percebemos que há muitas dúvidas em relação à nota fiscal. Essa é uma demanda que observamos. Mas, gostaríamos de receber críticas e sugestões em relação a outras questões, se houver”, diz.

Foram impressos 15 mil exemplares da cartilha que estão sendo distribuídos gratuitamente nas portarias da CEAGESP e também sendo enviados a sindicatos rurais, prefeituras e instituições. Caso haja interesse, há a possibilidade de solicitar o material à Companhia por meio do email cqh@ceagesp.gov.br ou também pelo telefone (11) 3643-3890.