Preços das commodities agrícolas caem 6,84% de junho para julho

Dado é do Índice de Commodities Brasil, calculado pelo Banco Central

Redação*

exportação_soja em grãos_Valter Campanato

De acordo com o Índice de Commodities Brasil (IC-Br), calculado mensalmente pelo Banco Central, os preços das commodities (produtos primários com cotação internacional) apresentaram queda de 5,71%, em julho, em relação ao mês anterior. No acumulado do ano, a queda ficou em 10,07%. Em 12 meses (encerrados em julho), o índice apresenta alta de 0,33%.

Em julho, as commodities do segmento agropecuário (carne de boi, algodão, óleo de soja, trigo, açúcar, milho, café, arroz e carne de porco) tiveram queda de 6,84%. Os preços das commodities do segmento de energia (petróleo, gás natural e carvão) caíram 7,57%. No caso de metais (alumínio, minério de ferro, cobre, estanho, zinco, chumbo e níquel), houve alta de 0,88%.

O índice internacional de preços de commodities CRB, calculado pelo Commodity Research Bureau, registrou queda de 5,51%, em julho, e alta de 0,54%, no período de 12 meses.

O IC-Br é calculado com base na variação em reais dos preços de produtos primários (commodities) brasileiros negociados no exterior. O Banco Central observa os produtos que são relevantes para a dinâmica dos preços ao consumidor no Brasil.

*Com informações da Agência Brasil

Grãos: avanço da colheita aumenta pressão baixista sobre os preços

Apesar das adversidades climáticas, produção deverá ser superior à registrada na temporada passada, prevê consultoria

Luiz Henrique Magnante/EmbrapaO bom andamento da colheita de soja e milho primeira safra aumenta a oferta de grãos no mercado, gerando forte pressão baixista sobre os preços destes produtos.

A despeito das chuvas nas principais regiões produtoras, decorrentes das adversidades climáticas ligadas ao fenômeno “El Niño”, a produção de grãos no ciclo 2015/16 deverá ser superior à registrada na temporada anterior, especialmente, em razão do incremento da área plantada de soja. É o que aponta o mais recente levantamento da Parallaxis Consultoria, especializada no mercado de commodities agrícolas.

Algodão
O estudo também traz prognósticos para outros produtos, como, por exemplo, o algodão. Segundo a projeção da Parallaxis, os preços da fibra natural – que se encontram valorizados em relação ao verificado no ano passado – deverão cair, devido ao recuo na demanda tanto interna quanto externa.

Os baixos preços do petróleo, matéria-prima utilizada na fabricação de fibra sintética e os elevados estoques de algodão nos principais países consumidores, bem como a retração econômica no mercado doméstico são os fatores, listados pelo relatório da consultoria, como limitantes para o consumo.

Açúcar e carnes
A recessão também deverá provocar queda na demanda interna por açúcar, alerta o documento. De acordo com a análise, como a indústria alimentícia e o varejo estão tendo dificuldades para repassar os preços do produto – que sofreram uma disparada nos últimos meses -, a reposição dos estoques de açúcar está sendo mais pontual.

Todavia, segundo a Parallaxis, as exportações devem, ainda, garantir a manutenção de preços mais satisfatórios para o açúcar, principalmente se a expectativa de déficit para esta safra for confirmada.

No que diz respeito às carnes, o levantamento prevê aumento dos preços do frango congelado, em função de um novo aquecimento na demanda tanto interna quanto externa. Já os preços da arroba bovina têm como fator de alavancagem a retomada dos pastos nas principais regiões produtoras, o que deverá fazer com que os pecuaristas segurem as vendas.

De modo geral, independentemente das oscilações nas cotações, a Parallaxis avalia que a manutenção da valorização do dólar sobre o Real deverá deixar a rentabilidade das principais commodities agrícolas no campo positivo.

Foto: Luiz Henrique Magnante/Embrapa