Desenvolvimento de repelentes naturais para controle do inseto transmissor do greening avança

Pesquisas, desenvolvidas pela UFSCar e o Fundecitrus, tiveram início em 2009 e os compostos que repelem o psilídeo devem ser testados até o final do ano. Produtos permitirão uso mais racional de inseticidas

Magnani, do Fundecitrus

Magnani, do Fundecitrus: manejo mais sustentável do greening

Para ampliar as formas de defesa contra aquela que é considerada a mais destrutiva doença da citricultura, o greening, a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e o Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus) estão trabalhando desde 2009 no desenvolvimento de inseticidas naturais para controle do inseto transmissor.

O greening é causado pelas bactérias Candidatus Liberibacter asiaticus e Candidatus Liberibacter americanus, transmitidas para os pomares pelo psilídeo Diaphorina citri. O inseto é comumente encontrado na planta ornamental Murraya spp., popularmente conhecida como murta ou dama da noite.

As pesquisas se concentram nas moléculas produzidas por plantas que são repelentes ao psilídeo. Segundo o pesquisador do Fundecitrus Rodrigo Facchini Magnani, o objetivo é desenvolver compostos voláteis – ou seja, aromas – com propriedades repelentes e atraentes ao inseto, para que ele seja repelido dos pomares de citros e atraído para outros locais, “uma vez que ele não afeta outros tipos de planta nem causa riscos à saúde humana”.

“Os resultados que obtivemos até o momento são provenientes de experimentos de laboratório, onde conseguimos identificar uma molécula volátil que é repelente ao psilídeo. Agora, estamos preparando experimentos de campo para verificar se teremos a mesma atividade encontrada no laboratório”, diz Magnani, explicando que os testes em campo devem começar ainda este ano e que em cinco anos teremos resultados para analisar.

A investigação continua, explica o pesquisador, com a busca de outras moléculas capazes de alterar o comportamento do inseto ou que tenham atividade inseticida. “Se tivermos sucesso, estas moléculas deverão ser incorporadas no manejo do greening e ajudar no seu combate”, diz.

Doença destrutiva

O greening (ou Huanglongbing/HLB) é a mais destrutiva doença das citriculturas brasileira e mundial. Dados de 2017 indicam que ele está presente em 16,73% das laranjeiras do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro. Em números, são 32 milhões de árvores infectadas. Quando as plantas estão infectadas, a solução é eliminar as árvores, evitando, assim, que o psilídeo transmita a bactéria para as plantas sadias.fundecitrus-greening-4

De acordo com Magnani, do Fundecitrus, o controle químico continua de “extrema importância” para o controle do greening. “Desde o início deste projeto, o controle químico está associado às nossas estratégias de repelência e atratividade do psilídeo. Usar um repelente nos pomares e fazer com o que o inseto seja atraído para um outro local  seja com iscas ou até mesmo  com outras plantas atrativas cultivadas nas bordas dos pomares  torna o manejo do greening mais sustentável”, afirma. O uso do repelente permitirá o uso mais racional de inseticidas: “diminuindo o risco de resistência, de resíduos e a contaminação ambiental”.

Fotos: Fundecitrus/Divulgação

Leia ainda:

Koppert lança bioinseticida para controle do vetor do greening

Pesquisadores recomendam manejo fisiológico para auxiliar no controle do greening

Fundecitrus lança campanha de controle do greening

Identificada em 2004 no Brasil, a doença já causou a erradicação de 100 mil hectares e a eliminação de 46 milhões de plantas

unidos contra o greeningSob o mote “Unidos contra o greening”, o Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus) iniciou uma campanha de conscientização dos diferentes elos da cadeia citrícola e também da sociedade em geral a respeito dos impactos da pior doença do citros. “O controle do greening exige uma ação conjunta. Boa parte das doenças do campo, o produtor consegue controlar bem, com o psilídeo (inseto transmissor da bactéria que causa a doença), a dificuldade é muito maior porque ele tem a capacidade de se locomover”, explica Ivaldo Sala, engenheiro agrônomo, do Fundecitrus.

Identificada em 2004 no parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais, a doença já causou a erradicação de 100 mil hectares e a eliminação de 46 milhões de plantas. “O greening não tem cura. Por meio desta ação, queremos reforçar junto aos produtores, técnicos e profissionais, além da população urbana, a importância do manejo de árvores sadias, da erradicação das contaminadas e do controle do psilídeo”, diz Sala.

A campanha, que conta com a divulgação de um vídeo e também a distribuição de um adesivo com os dizeres “Unidos contra o greening”, tem base educativa. “Queremos mobilizar e envolver os 349 municípios citrícolas com esta ação”, finaliza.

Inseto

O psilídeo Diaphorina citri é o inseto transmissor da bactéria que causa o greening. Vive em plantas de citros – laranjeiras, tangerineiras, limoeiros e limas ácidas. As árvores de pomares abandonados, orgânicos e de quintais na área urbana e rural, que não recebem aplicações para o controle da doença, são importantes criadouros do psilídeo e da bactéria do greening.

De acordo com o Fundecitrus, as pessoas devem ficar atentas a fatores como o amarelecimento de ramos e a queda de folhas e frutos.

Roraima é declarado zona livre de aftosa com vacinação

Expectativa do Mapa é de que AM e PA também sejam considerados livres da doença

Redação*

SONY DSC

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) declarou ontem (25) o estado de Roraima zona livre de febre aftosa com vacinação. Com isso, produtores do estado poderão vender carne bovina para as demais unidades da Federação, exceto para Santa Catarina, que é área livre da doença sem imunização. O próximo passo é submeter o reconhecimento do governo federal à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), para que Roraima possa vender também para o mercado externo.

A expectativa do Mapa é de que o Amazonas e o Amapá também venham a ser declarados nacionalmente como livres da doença com vacinação. Os dois estados são os únicos ainda sem esse status. Caso o Amazonas e o Amapá também consigam o reconhecimento do Mapa e da OIE, o Brasil terá todo o território livre de aftosa – 26 estados com vacinação e Santa Catarina sem vacinação.

*Com informações do Mapa