Senar e Sebrae/GO recebem inscrições para o Desafio Agro Startup

Interessados em participar do programa de incentivo a pessoas e pequenas empresas com ideias e soluções inovadoras para o agronegócio, têm até 10 de outubro para se inscrever

start_up_-_desafioParceiros de longa data, Senar e Sebrae Goiás, se unem novamente na criação de um programa de incentivo a pessoas e pequenas empresas com ideias e soluções inovadoras para o agronegócio no Estado. Lançado ontem (21), em Goiânia, o Desafio Agro Startup tem como objetivo fomentar e fortalecer boas ideias para solucionar problemas e explorar oportunidades em todos os elos das cadeias produtivas do setor. “Já temos parcerias muito exitosas e estamos muito empolgados com mais esta. Temos certeza de que teremos um nível de engajamento alto, já que o agro tem uma força gigantesca no Brasil”, diz Francisco Lima Jr., analista de Inovação do Sebrae/GO. “O Desafio foi pensado num contexto para fortalecimento de jovens no meio rural e ampliar o ambiente tecnológico por meio da idealização de novos projetos”, explica Antônio Carlos de Souza Lima, superintendente do Senar/GO.

Dividido em quatro etapas, que consistem na qualificação dos inscritos, com um curso online; uma seleção inicial de 50 trabalhos; uma fase de mentoria com consultores para consolidação das ideias como negócio; e a última, que premiará as três melhores ideias, o programa é direcionado a startups de qualquer estágio de maturidade, a pessoas ou equipes com ideias de negócio e também a pessoas e equipes sem ideia formada ainda, mas que acreditam serem capazes de gerar soluções inovadoras. “Estamos abertos. A gente não sabe da onde virá uma grande ideia”, completa Francisco Lima Jr.

Os interessados em participar devem se inscrever pelo site www.desafioagrostartup.com.br até 10 de outubro. Neste endereço, os candidatos também têm acesso ao regulamento. “O que queremos é despertar boas iniciativas para o campo e, com isso, superar desafios do setor”, finaliza Antônio Carlos.

 

ABIMAQ prevê aumento de 15% nas vendas de maquinário na Agrishow 2017

Expectativa dos organizadores é de que os negócios ultrapassem R$ 2 bilhões na edição deste ano

agrishow“As expectativas são boas. Alguns segmentos demonstram maior aquecimento do que outros como agricultura de precisão, consultoria em informática e alta tecnologia. Esperamos um público superior a 150 mil visitantes”, disse José Danghesi, diretor da Agrishow, durante coletiva de imprensa para apresentação de detalhes do evento, que acontecerá de 1° a 5 de maio em Ribeirão Preto (SP).

João Carlos Marchesan, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ) também se mostrou otimista em relação à feira. “Acreditamos que as vendas de maquinário devam crescer 15% este ano na Agrishow”, projetou.

“Esta edição será marcada pela alta tecnologia, com destaque para inovação e conectividade”, completou Francisco Matturo, vice-presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag).

Além da ABIMAQ e da Abag, Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) e Sociedade Rural Brasileira (SRB) também fazem parte do grupo de realizadores da Agrishow.

 

 

 

Inovações na cafeicultura são tema de evento no Pensa/USP

Foram apresentados também 10 estudos de caso realizados em propriedades de MG e ES em 2016

cafe-verdeillycaffè e Università Del Caffè Brazil em parceria com a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA), da Universidade de São Paulo, realizaram na manhã desta quinta-feira (16) o seminário “Fazendo mais e melhor: inovações no agronegócio café”.

Falando sobre possibilidades de criação de valor por meio de inovações, Andrea Illy, presidente da illycaffè, abriu o ciclo de palestras. “Para que a inovação crie valores, ela deve ser vista como uma fórmula financeira”, disse. “Trabalhar com inovação é também estar ciente dos riscos tecnológicos, comerciais, de propriedade intelectual, legais, de segurança e saúde etc”, completou.

O empresário falou também sobre as inovações na agricultura com o uso de novos produtos, tecnologias e o surgimento de novos mercados para produtos de valor agregado. “Estamos num momento bom para investir. O consumo de café no mundo está crescendo; estamos numa fase de recuperação da economia global e o fenômeno da globalização vem cessando”, disse. “Precisamos investir não só em melhorias de gestão, mas em tecnologias que nos ajudem a tornar a atividade, de fato, sustentável”.

“A importância da inovação está diretamente ligada à redução de recursos disponíveis no mundo”, disse o Prof. Dr. Decio Zylbersztajn, professor da FEA/USP e fundador do Centro de Conhecimento em Agronegócio (PENSA/FIA). “Os drivers da inovação estão conectados também a outras percepções que não o preço – de mercado, à sensibilidade do inovador, que é uma competência única que não se consegue replicar em outro lugar”.

Na sequência, o professor falou sobre coinovação, em que há interação do adotante da tecnologia ou da estratégia de gestão com Universidades, especialistas etc. “Além disso, o perfil da assistência técnica mudou muito. Tanto a iniciativa privada quanto cooperativas oferecem pacotes tecnológicos completos para o produtor”, disse.

“Não podemos nos esquecer também do que chamamos de microinovação, que nada mais é do que rotinas; de pequenas mudanças que o produtor faz em sua propriedade, mas que representam muito no custo total de sua produção”, lembrou o professor. “E, por fim, podemos citar inovações do sistema agroindustrial como a produção de insumos, processamento, novos sistemas de distribuição e tudo o que envolve esta cadeia”.

A seguir, foram apresentados estudos de caso realizados em propriedades de café do Sul de Minas, do Cerrado Mineiro, de Matas de Minas e do Espírito Santo, em 2016, pelos Profs. Drs. Samuel Ribeiro Giordano e Christiane Leles Rezende De Vita, da Unoversità Del Caffè Brazil.