Aprovada exportação de leite e de produtos lácteos do Brasil para o Japão

País asiático é o sétimo maior importador mundial do setor

Redação*

leite-II-300x199A Secretaria de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recebeu na última quarta-feira (1) comunicado de reabertura do mercado japonês para leite e produtos lácteos do Brasil. As exportações foram reiniciadas depois da aprovação do Certificado Sanitário Internacional. A negociação demorou dois anos. Pelo certificado poderão ser exportados os produtos das áreas livres da febre aftosa com e sem vacinação.

O Japão é o sétimo maior importador mundial de lácteos. Em 2016, o país asiático importou cerca de 62 mil toneladas de soro de leite em pó, 13 mil toneladas de manteiga, 258 mil toneladas de queijos e 201,5 mil toneladas de outros produtos lácteos (leite em pó, caseína, caseinatos, lactose, entre outros). Em 2016, o mercado japonês importou cerca de US$ 1,2 bilhão de produtos lácteos.

De acordo com o secretário de Relações Internacionais do Mapa, Odilson Ribeiro e Silva, “para o setor de lácteos, que está iniciando sua entrada no mercado internacional, o Japão é um cliente muito importante pelo grande potencial de consumo e pelo grau de exigência que tem, demonstrando a capacidade do Brasil de atender estas exigências”.

*Com informações do Mapa

Exportações do agronegócio crescem 23,7% em setembro

Embarques brasileiros somaram US$ 8,56 bilhões

Redação*

soja exportação_DivulgaçãoAgência de Notícias do ParanáDe acordo com a Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Agricultura (Mapa), as exportações brasileiras do agronegócio aumentaram 23,7% em setembro em relação ao mesmo mês de 2016. Os embarques somaram US$ 8,56 bilhões, ante US$ 6,92 bilhões de setembro do ano passado. Com importações de US$ 1,14 bilhão, o setor teve superávit de US$ 7,42 bilhões. O agro representou 45,8% das exportações totais brasileiras no mês passado.

O crescimento de US$ 1,64 bilhão nas vendas externas foi puxado pelo complexo soja (US$ 938,74 milhões), cereais, farinhas e preparações (US$ 436,17 milhões), produtos florestais (US$ 158,72 milhões), fibras e produtos têxteis (US$ 55,50 milhões) e carnes (US$ 42,50 milhões).

As vendas externas do complexo soja, de carnes, do setor sucroalcooleiro, de produtos florestais e de cereais, farinhas e preparações totalizaram US$ 6,76 bilhões.

A Ásia se manteve como principal região de destino das exportações do agro brasileiro, com US$ 3,83 bilhões. Em função do aumento das vendas de soja em grãos do Brasil houve aumento de 40,6% em exportações para a região, de modo que sua participação aumentou para 44,8% do total.

Entre os países, o principal importador do agro brasileiro é a China. A soja em grãos contribui para a manutenção daquele mercado como principal destino do agronegócio do Brasil, com US$ 1,85 bilhão em aquisições, dos quais US$ 1,31 bilhão foi apenas para a soja. Tal valor representou crescimento de 272,1%, de modo que a participação chinesa passou de 12,2% para 21,6% no período.

*Com informações do Mapa

Valor Bruto da Produção Agropecuária é atualizado para R$ 535,4 bilhões

Montante é 4,5% acima do obtido em 2016

Redação*

Aprosoja-JM-lowres-300x199De acordo com a Secretaria de Política Agrícola (SPA), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2017 deverá ser de R$ 535,4 bilhões, volume 4,5% acima do obtido em 2016. A estimativa traz ainda que o resultado das lavouras, deste montante, é de R$ 367,9 bilhões e o da pecuária, de R$ 167,5 bilhões. O crescimento do valor real das lavouras é de 10,2%, enquanto o da pecuária apresenta um recuo de 6,3%.

Da lista de produtos que têm apresentado resultados mais favoráveis, destacam-se o algodão, com aumento de 75,6%, cana-de-açúcar (46,4%), laranja (25,2%), milho (19,3%) e soja (2,3%). O valor da produção de soja, de R$ 115,6 bilhões, corresponde a 31,4% do VBP total. Já dos produtos que vêm apresentando desempenho menos favorável, destacam-se banana, batata-inglesa, cacau, cebola, feijão e maçã.

Na pecuária, suínos e leite, que têm se beneficiado de aumento de preços ao produtor, são os principais destaques. Carne bovina, de frango e ovos têm tido retração de preços, o que deve gerar menor faturamento dessas atividades.

Os estados de São Paulo, Mato Grosso, Paraná, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás e Bahia representam juntos 70,5% do VBP neste ano.

*Com informações do Mapa