Valor Bruto da Produção Agropecuária é atualizado para R$ 535,4 bilhões

Montante é 4,5% acima do obtido em 2016

Redação*

Aprosoja-JM-lowres-300x199De acordo com a Secretaria de Política Agrícola (SPA), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2017 deverá ser de R$ 535,4 bilhões, volume 4,5% acima do obtido em 2016. A estimativa traz ainda que o resultado das lavouras, deste montante, é de R$ 367,9 bilhões e o da pecuária, de R$ 167,5 bilhões. O crescimento do valor real das lavouras é de 10,2%, enquanto o da pecuária apresenta um recuo de 6,3%.

Da lista de produtos que têm apresentado resultados mais favoráveis, destacam-se o algodão, com aumento de 75,6%, cana-de-açúcar (46,4%), laranja (25,2%), milho (19,3%) e soja (2,3%). O valor da produção de soja, de R$ 115,6 bilhões, corresponde a 31,4% do VBP total. Já dos produtos que vêm apresentando desempenho menos favorável, destacam-se banana, batata-inglesa, cacau, cebola, feijão e maçã.

Na pecuária, suínos e leite, que têm se beneficiado de aumento de preços ao produtor, são os principais destaques. Carne bovina, de frango e ovos têm tido retração de preços, o que deve gerar menor faturamento dessas atividades.

Os estados de São Paulo, Mato Grosso, Paraná, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás e Bahia representam juntos 70,5% do VBP neste ano.

*Com informações do Mapa

Demanda por crédito rural tem aumento de 23,2%

De acordo com Mapa, índice deve-se ao fato de os produtores terem adiado pedido na expectativa de redução dos juros

Redação*

De acordo com balanço divulgado ontem (9) pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a demanda por crédito rural entre médios e grandes agricultores chegou a R$ 8,4 milhões no mês passado. O valor representa um aumento de 23,2% em relação a julho de 2016.

De acordo com o Mapa, o aumento se deve ao fato de os produtores terem adiado a tomada de crédito nos meses anteriores para o atual ciclo agrícola, na expectativa de redução dos juros.

O relatório traz também que a quantidade de contratos aumentou. Segundo o Ministério, as instituições financeiras liberaram 45.228 contratos de financiamento envolvendo crédito de custeio, comercialização e investimento. O número supera as 43.504 operações de julho do ciclo anterior. No total, o governo federal liberou R$ 188,4 bilhões para financiar a produção agrícola de julho deste ano a junho de 2018.

O maior aumento se deu na procura por contratações na modalidade investimentos, que incluem aquisição de máquinas e implementos agrícolas. As contratações chegaram a R$ 1,6 bilhão, um crescimento de 26,2%. Já nas operações de custeio e comercialização, o desembolso atingiu R$ 6,8 bilhões, uma alta de 22,5% sobre julho de 2016.

Ainda conforme o relatório, contratações pela Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) atingiram R$ 1,8 bilhão ante R$ 1,3 bilhão em julho do ano passado. Desse valor, R$ 791 milhões foram para operações de custeio, R$ 839 milhões para comercialização e R$ 151 milhões para investimentos.

*Com informações da Agência Brasil

 

Normas para produção de mudas de oliveira são apresentadas no Mapa

Registro de agrotóxicos para a cultura também foi discutido por Comissão

Redação*

oliveira_AiuruocaCerca de 30 técnicos e produtores dos estados do Rio Grande do Sul, de Minas Gerais e de São Paulo participaram nesta semana (2), em Brasília/DF, de uma reunião da Comissão Permanente da Olivicultura Brasileira, para discutir o estabelecimento de padrões para produção de mudas de oliveiras e o registro de agrotóxicos para a cultura.

Uma proposta de normatização de padrões de produção de mudas de oliveira, validada pela Comissão Estadual de Sementes e Mudas do Rio Grande do Sul, foi apresentada durante a reunião e agora será analisada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Foi encaminhada também ao Ministério uma relação de produtos para controle fitossanitário do plantio de oliveiras.

Foram debatidas ainda normas de produção integrada para a cultura, da importação e liberação de material genético de oliveiras; dos recursos genéticos e bancos de germoplasma e da vigilância fitossanitária.

Olivicultura no Brasil

O cultivo de oliveira é recente no Brasil. O País tem cerca de 200 produtores, que plantam em uma área de aproximadamente de 4 mil hectares. Neste ano, o setor produziu 97 mil litros de azeite, a partir de 950 toneladas de azeitonas. A projeção é de que a produção chegue a 200 mil litros o ano que vem.

Hoje, o Brasil tem cerca de 40 marcas nacionais de azeite de oliva.

*Com informações do Mapa