Estimativa do VBP em 2018 tem queda de 5,2%

Dado é do MAPA, que projetou o valor da produção agropecuária em R$ 515,9 bilhões

Pulverizador 4630O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) projetou nesta 3a feira (13) o valor da produção agropecuária (VBP) de 2018 em R$ 515,9 bilhões. O valor é 5,2% menor do que o registrado em 2017, consolidado em R$ 544,2 bilhões.

No detalhamento por segmentos, o valor das lavouras deve fechar o ano em R$ 346,1 bilhões, 5,7% abaixo do desempenho do ano passado. A estimativa de VBP para a pecuária é de R$ 169,8 bilhões, 4,1% menor do que o consolidado de 2017.

Dos produtos da lavoura, nove vêm seguindo tendência de redução de valor, como arroz, cana-de-açúcar, feijão, milho, laranja e uva, e oito apresentam apresentam aumento de faturamento, entre os quais algodão, batata, cacau, café, soja, tomate e trigo.

Já na produção da pecuária, a queda projetada de 4,1% no faturamento se deve, principalmente, ao pior desempenho do frango, da carne suína, de leite e de ovos. A diminuição do preço de aves já vem acontecendo há mais de dois anos, de acordo com o MAPA.

Entre as regiões, o Centro-Oeste ocupa a liderança do ranking do VBP, seguido de Sul, Sudeste, Nordeste e Norte. Até 2017, o Sul ocupava a primeira colocação. Entre os estados, o melhor desempenho está, até o momento, com o Mato Grosso.

*Com informações da Agência Brasil

Crédito rural alcança R$ 92,1 bilhões na safra 2017/2018

Montante representa um aumento de 12,4% em relação ao mesmo período da safra anterior

Dinheiro_01-300x197Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento divulgou na última sexta-feira (9) balanço que mostra que médios e grandes produtores rurais tomaram R$ 92,1 bilhões em empréstimos por meio do crédito oficial na temporada agrícola 2017/2018.

O montante referente aos financiamentos para as atividades de custeio, comercialização, industrialização e investimento entre julho do ano passado e fevereiro deste ano representa aumento de 12,4% em relação ao que foi contratado em igual período da safra anterior. O valor é liderado pelos financiamentos para comercialização e para investimentos, cuja expansão foi, respectivamente, de 32,7% e de 25,3%.

De acordo com a SPA, do total das disponibilidades de recursos para o crédito rural para a safra 2017/2018, já foram utilizados 49%, sendo que na safra anterior, foram 44,6%. A situação caracteriza normalidade no atendimento da demanda de recursos de financiamento dos produtores rurais.

Os financiamentos de custeio atingiram R$ 52,3 bilhões, com aumento de 3,4%. De acordo com a avaliação da Secretaria, houve subutilização de Recursos Obrigatórios oriundos dos depósitos à vista dos bancos comerciais, cuja disponibilidade para essa finalidade foi significativamente ampliada devido à exclusão da possibilidade de uso desses recursos para financiamento de estocagem de produtos agrícolas por empresas cerealistas e agroindustriais.

O aumento de 25,3% nas contratações de crédito para investimentos é indicador de retomada dos investimentos agropecuários, com destaque para os programas para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura (Programa ABC), que subiu 50,8%, de Incentivo à Irrigação e à Produção em Ambiente Protegido (Moderinfra) mais 81,4%, para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), de 98%, e de incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro), que teve alta de 129%.

As contratações de crédito rural, com recursos provenientes da emissão de letras de Crédito do Agronegócio (LCAs), aumentaram de R$ 10 bilhões para R$ 14,4 bilhões, revelando o acerto do direcionamento desses para o financiamento da agricultura, como parte do esforço de ampliar a disponibilidade do crédito rural e de diversificação das fontes de finaciamento.

*Com informações do Mapa

 

Valor da produção agropecuária de 2018 é de R$ 516,6 bilhões, estima Conab

Montante representa uma queda de 4,9% em relação ao ano passado

Redação*

foto - Adriano Kirihara - Pulsar Imagens

foto – Adriano Kirihara – Pulsar Imagens

516,6 bilhões de reais. Esta é a primeira estimativa de 2018 da Conab, divulgada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para o valor bruto da produção agropecuária (VBP). O valor representa uma queda de 4,9% em relação a 2017. De acordo com o relatório, as lavouras apresentam redução de 6,2% e a pecuária, de 2,3%.

Segundo o coordenador-geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola (SPA), José Garcia Gasques, parte dessa diferença entre as estimativas deve-se ao fato de o ano passado ter sido excepcional, tendo obtido o maior valor desde o início da série de informações. Outro aspecto, é o fato de janeiro ser quase o início da safra do ano, e portanto, com informações ainda incompletas.

Os produtos com melhor desempenho são algodão, com aumento real de 15% no valor, batata inglesa (11,1%), cacau (44,5%), café (5,8%), tomate (36,1%) e trigo (49%). Na pecuária, destaca-se carne bovina com desempenho positivo, depois de registrar durante o ano passado preços em baixa.

O grupo de produtos com redução do valor da produção inclui o amendoim (-7,1%), arroz (-16,4%), banana (-13,1%), cana-de-açúcar (-13,2%), feijão (-22,4%), laranja (-29,4%), milho (-13%) e uva (-24,8%). Entre esse grupo, cana, laranja, e milho tiveram em 2017 resultados excepcionais, que não estão se repetindo. Como são produtos que têm participação expressiva no VBP, explica Gasques, a redução do valor afeta os resultados deste ano.

Na pecuária, os resultados de suínos, frango, leite e ovos também são inferiores aos de 2017. Para esses, os preços mais baixos no período têm contribuído para um VBP mais baixo.

*Com informações do Mapa