Colheita da safra de soja alcança 74% da área e do milho 63%

Segundo levantamento da DATAGRO, plantio da segunda safra de milho está praticamente concluído

Sergio Ranalli/Pulsar

Descarga de soja após a colheita, em Leópolis/PR. Foto: Sérgio Ranalli/Pulsar

A colheita da safra de soja 2017/18 no Brasil alcançou 74% da área semeada, considerando a data de 29 de março, contra 67% da semana anterior, apontam dados da DATAGRO Consultoria. Segundo o analista de grãos da DATAGRO Consultoria, Flávio Roberto de França Júnior, o ritmo de retirada da oleaginosa das lavouras está igual ao registrado em igual período de 2017, mas levemente superior ao percentual de 73% da média normal das últimas cinco temporadas.

 No caso da primeira safra de milho, a colheita atingiu 63% da área semeada, avanço moderado sobre os 56% da semana anterior. “O avanço só não foi maior porque os produtores estão dando preferência para finalizar a colheita da soja”, diz França Júnior. No entanto, de acordo com o analista, o ritmo de retirada do grão das lavouras segue atrasado em relação aos 73% registrados em igual período de 2017, e também sobre os 69% da média normal das últimas cinco temporadas.

 Já o plantio da segunda safra de milho chegou próximo aos 100% da área estimada para a cultura. O ritmo dos trabalhos, destaca França Júnior, foi inferior ao registrado na temporada anterior, mas próximo da média normal dos últimos cinco ciclos.

 Intenção de plantio nos EUA surpreende com área menor para soja e milho

 O relatório de intenção de plantio da safra 2018/19 dos Estados Unidos, divulgado no último dia 29 de março pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês), aponta que a área a ser cultivada com soja deverá chegar a 36,01 milhões de hectares, recuo de 1% na comparação com a temporada anterior. Segundo França Júnior, o número ficou abaixo da expectativa média de mercado, o que acabou trazendo forte suporte para a Bolsa de Chicago (Cbot).

De acordo com o órgão, a expectativa é que a área plantada com milho atinja 35,62 milhões de hectares, queda de 2,4% ante o ciclo anterior. “O número veio abaixo da expectativa de mercado em torno dos 36,20 milhões de hectares”, ressalta França Júnior, que acrescenta: “se confirmado, esse será o quinto ano de retração na área semeada nas últimas seis temporadas”.

Safra de grãos deve chegar a 226 milhões de toneladas

Projeção é da Conab; volume corresponde a um aumento de 0,2% em relação ao último levantamento

soja exportação_DivulgaçãoAgência de Notícias do ParanáA Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) elevou a estimativa da safra de grãos 2017/2018 para 226 milhões de toneladas, o que corresponde a um aumento de 0,2% em relação ao último levantamento, divulgado no mês passado. De acordo com a Companhia, o aumento é resultado do avanço da colheita de soja.

Segundo a Conab, a safra deste ano, no entanto, deverá ficar abaixo do ano passado, que registrou a maior produção histórica, com 237,7 milhões de toneladas. Caso esta projeção se concretize, significará um recuo de 4,9%.

Liderando a produção de grãos, a soja deverá atingir a marca de 113 milhões de toneladas. O milho aparece em seguida, com produção estimada de 87,3 milhões de toneladas.

A Conab destaca também o aumento da produção de algodão em pluma, com estimativa de 1,9 milhão de toneladas, o que representa um aumento de 21,3% em relação à safra passada.

Em relação à área plantada, a Conab projeta aumento de 0,3% em relação à última safra. Somente o plantio da soja deverá ocupar 1,1 milhão de hectares a mais que no ano passado.

As estimativas da Conab para o milho são de queda tanto na primeira quanto na segunda safra do produto, em relação à safra passada. Para a primeira safra, a projeção é a produção de 25,12 milhões de toneladas, 17,5% inferior à safra passada, resultado da redução de área e da produtividade. Já para a segunda, a projeção é a redução de 5,9% na área, o que resulta numa estimativa de produção de 62,16 milhões de toneladas, uma retração de 7,8% em relação à safra anterior.

*Com informações da Agência Brasil

Chuvas podem comprometer desenvolvimento final da safra

Principais riscos são queda de produtividade e problemas nos enchimentos dos grãos

Pulverizador 4630O Rally da Safra 2018, expedição técnica privada para monitoramento da safra de grãos no Brasil, vai a campo a partir de 15 de janeiro em um cenário de aumento de 1,1 milhão de hectares da área plantada de soja. A expectativa é que a área total da oleaginosa alcance 35 milhões de hectares e a produção atinja 114,1 milhões de toneladas, volume semelhante à safra passada.

“O aumento de área de soja deverá ocorrer preponderantemente sobre lavouras de milho, em razão da redução expressiva na rentabilidade do cereal. Serão cerca de 800 mil hectares provenientes de áreas maduras localizadas no Sul – com alto potencial de produção de soja – e no Sudeste do Brasil, onde o milho verão tem maior presença. De forma secundária, teremos ainda a contribuição de áreas de pastagem e de cerrado para esse crescimento”, explica André Pessoa, sócio diretor da Agroconsult e coordenador geral do Rally da Safra.

A produtividade de soja, embora 3,5% inferior à safra passada, poderá ser a segunda maior da história, atingindo 54 sacas por hectare. Em 2016/17, a produtividade foi de 56 sacas por hectare.

Segundo Pessoa, a principal preocupação agora é a previsão de chuvas intensas daqui para frente. Os mapas climáticos dos próximos meses não são animadores, ao contrário do ano passado quando a safra começou e terminou bem. O clima muito chuvoso pode prejudicar o manejo de doenças, principalmente a ferrugem, interferindo na produtividade nessa fase final. “Outra questão importante, relacionada ao excesso de umidade, é a pouca luminosidade, importante para definir peso final de grãos,” alerta.

O eventual clima muito chuvoso poderá interferir também no processo de plantio de safrinha – tanto de milho, quanto de algodão – atrasando ou até inviabilizando a semeaduracem casos extremos. “Essas dúvidas ainda não permitem dizer quão grande será a safra. O mais provável é termos uma safra muito parecida com do ano passado e isso veremos em campo”.

Milho  

Considerando as produtividades dentro de uma linha de tendência, o milho segunda safra deverá alcançar uma produção de 65,6 milhões de toneladas, com queda de 4% sobre a safra passada (68,3 milhões de toneladas). “O calendário ideal de plantio para milho de alta produtividade é até 20 de fevereiro. Após essa data, teremos uma queda no nível da tecnologia e, possivelmente, nas produtividades”, avalia Pessoa.

Segundo projeções da Agroconsult, embora a safra de soja seja semelhante à passada, a safra total de grãos deverá diminuir, por conta da possível redução na produção de milho. Com isso, a safra de grãos deverá atingir 231 milhões de toneladas, contra 241 milhões de toneladas em 2016/17.