Ministério do Meio Ambiente abre inscrições para cursos gratuitos

Até 23 de agosto, interessados podem se inscrever em cursos à distância nas áreas de gestão, educação ambiental e sustentabilidade

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) abriu mais uma rodada de cursos gratuitos à distância sem tutoria. Interessados podem se inscrever no ambiente de aprendizagem virtual do site do Ministério (http://ava.mma.gov.br/) e escolher suas áreas de interesse, até 23 de agosto.

Os cursos abordam os temas – gestão de conflitos e parcerias e captação de recursos em unidades de conservação; fundamentos e práticas de educação ambiental para espaços educadores; geoprocessamento; guia para a produção de conteúdos de ensino à distância; igualdade de gênero e desenvolvimento sustentável; participação social e sustentabilidade na administração pública.

De acordo com o MMA, o conteúdo produzido é livre, público e pode ser disponibilizado para uso por instituições parceiras.

*Com informações do Ministério do Meio Ambiente

 

 

MMA e Embrapa lançam livro sobre espécies nativas do Centro-Oeste

A publicação faz parte do projeto “Plantas para o Futuro” e está disponível para download

Redação*

livro_plantas para o futuroO Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), como o apoio de instituições parceiras, lançaram ontem (1) o livro “Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial – Plantas para o Futuro – Região Centro-Oeste”.

Resultado de mais de mais de dez anos de pesquisas, o livro traz informações sobre 177 espécies nativas da região Centro-Oeste com potencial de aplicação em diversas áreas – alimentação, medicamentos e cosméticos, entre outras.

Este é o segundo de uma série de cinco livros que estão sendo publicados sob a iniciativa “Plantas para o Futuro” e do Projeto BFN (Biodiversidade para Alimentação e Nutrição). As publicações têm como objetivo identificar espécies nativas da flora brasileira que possam ser utilizadas como novas opções para a agricultura familiar na diversificação dos seus cultivos, ampliação das oportunidades de investimento pelo setor empresarial no desenvolvimento de novos produtos e na melhoria e redução da vulnerabilidade do sistema alimentar brasileiro.

De acordo com a Embrapa, a produção de espécies nativas do Centro-Oeste pode representar uma inovação tecnológica para os agricultores e produtores da região, como alternativa de diversificação de produtos para o mercado.

Além do Centro-Oeste e da região Sul, cujos livros já estão disponíveis para o público, o Ministério do Meio Ambiente vem concentrando esforços para finalizar as publicações referentes às regiões Nordeste, Norte e Sudeste.

Centro-Oeste

A região Centro-Oeste engloba uma área de 1.606.370 Km², dividida entre os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e o Distrito Federal. Ao longo dessa extensão territorial, encontram-se três biomas: o Cerrado, o Pantanal e parte da Floresta Amazônica, o que torna a região muito rica em espécies vegetais nativas.

A exploração predatória e a expansão crescente da agricultura aliadas ao uso inadequado dessas espécies, em decorrência do pouco conhecimento científico, vêm fazendo com que ainda sejam subutilizadas pelos produtores da região. A maior parte delas apresenta qualidades e características que indicam potencial para uso sustentável pelos produtores locais e para a indústria.

*Com informações do Ministério do Meio Ambiente e da Embrapa

 

Ministério do Meio Ambiente abre inscrições para cursos na área ambiental

Interessados devem se cadastrar até 28 de julho

Redação*

fazenda-300x225O Ministério do Meio Ambiente (MMA) abriu nesta segunda-feira (17), inscrições para cursos à distância nas áreas de recursos hídricos, agricultura familiar, mudança do clima, produção e consumo sustentáveis, unidades de conservação, igualdade de gênero e outros temas.

Ao todo, são doze cursos. Os interessados devem se cadastrar no ambiente virtual do MMA até 28 de julho e escolher um ou mais cursos, que serão realizados sem tutoria. A efetivação da inscrição está condicionada à oferta de vagas. De acordo com o ministério, serão abertas 40 mil vagas, incluindo turmas fechadas, realizadas por instituições parceiras.

O conteúdo dos cursos é livre para uso público e pode ser disponibilizado para que instituições parceiras os ofertem em suas próprias plataformas.

*Com informações do Ministério do Meio Ambiente