Soja é responsável por somente 1,2% do desmatamento da Amazônia, conclui relatório

Informação é de documento da Moratória da Soja, acordo firmado há 11 anos por Governo, produtores e representantes da sociedade civil

Redação*

Aprosoja-JM-lowres-300x199Embora a área de plantio de soja tenha triplicado nos últimos 11 anos (de 1,14 milhão de hectares na safra 2006/2007 para 4,48 milhões de hectares durante a safra de 2016/2017), a oleaginosa respondeu somente por 1,2% do total desflorestado por corte raso (quando há remoção absoluta da vegetação de um local) na Amazônia. A informação é do relatório anual divulgado ontem (10) pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) e encomendado pelo Grupo de Trabalho da Soja (GTS).

O anúncio foi feito em reunião no Ministério do Meio Ambiente com entidades como a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais, que firmou compromisso proposto em 2006 pela Abiove, para impedir, a partir do segundo semestre de 2008, práticas em desacordo com o Código Florestal relacionadas ao cultivo do produto na região. Chamado de Moratória da Soja, o acordo envolve, além do governo e produtores, representantes da sociedade civil, como Greenpeace, WWF Brasil, The Nature Conservancy, o Earth Innovation Institute e o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola.

Foi com base no monitoramento de 89 municípios de sete estados – Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Amapá, Maranhão e Tocantins – que se concluiu que 98,8% do desmatamento não foram causados pela conversão de florestas para a sojicultora e que a redução média dos danos às florestas nos locais da cobertura foi de 85%, passando de 6.847 Km²/ano, no período de 2002 a 2008, para 1.049 Km²/ano, de 2009 a 2016. Além disso, a equipe evidenciou que apenas nove municípios concentravam 62% da soja preparada em uma cadeia irregular. Os sete estados abrangem 97% da área plantada dos sojicultores do bioma.

O documento traz ainda que Mato Grosso foi o estado que mais se desviou das técnicas que evitam a devastação, com um total de 36,1 mil hectares (76,3%) deteriorados. Em seguida, vieram Pará, com 7,4 mil hectares (15,7%), e o Maranhão, com 2,2 mil hectares (4,7%). Muito do sucesso considerado pelo grupo foi atribuído à ideia de que produtores souberam aproveitar áreas de pastagens, que já haviam sofrido danos em períodos que antecederam o pacto nacional de desmatamento zero.

As imagens captadas mostraram também que 47,4 mil hectares de plantio de soja, na safra 2016/17,em desflorestamentos realizados no bioma desde 22 de julho de 2008, sinalizando um aumento de 27,5% (37,2 mil há) em relação à safra passada, de 2015/2016. No decorrer dos últimos oito anos, foram desflorestados 4.107 mil ha na Amazônia, sendo que nos 89 municípios avaliados, na safra 2016/17, a área desflorestada foi de 839 mil ha, ou 20% desse total.

Com a moratória, a taxa média de desflorestamento observada nesses municípios foi 6,5 vezes menor do que no intervalo de 2002 a 2008.

Uma preocupação expressa durante a apresentação do relatório foi a de amplificar a moratória do bioma Amazônia para o Cerrado, que segundo os presentes ao encontro, é particularmente complexo.

*Com informações da Agência Brasil