Preço da gasolina sofre pequena queda, mas do diesel sobe nas refinarias

Preço ao consumidor depende de cada revendedora e posto de combustível

Redação*

Abastecimento-Etanol_0006-300x225Informação divulgada pela Petrobrás diz que o preço da gasolina comercializada nas refinarias diminui 0,1% e o do diesel sobre 0,6%, nesta quarta-feira (3). Estas são as primeiras variações de preço dos dois combustíveis em 2018.

Estas oscilações de preço fazem parte do modelo de reajustes frequentes praticados pela Petrobrás. “Analisamos nossa participação no mercado interno e avaliamos frequentemente se haverá manutenção, redução ou aumento nos preços praticados nas refinarias. Sendo assim, os ajustes nos preços podem ser realizados a qualquer momento, inclusive diariamente”, de acordo com a estatal.

O preço final ao consumidor, nas bombas, dependerá de cada empresa revendedora e dos próprios postos de combustíveis.

*Com informações da Agência Brasil

 

Preço da gasolina sobe 1,7% nas refinarias

Preço final ao consumidor dependerá de cada empresa revendedora e dos postos de combustíveis

Abastecimento-Etanol_0006-300x225O valor praticado nas refinarias da Petrobrás para a gasolina sofre aumento de 1,7% a partir de hoje (25) e o do diesel reduz em 0,3%. As variações fazem parte da política da estatal de acompanhar livremente as oscilações dos combustíveis no mercado internacional, levando em conta também as mudanças cambiais.

O preço final ao consumidor, nas bombas, dependerá de cada empresa revendedora e dos próprios postos de combustíveis, que atuam de forma livre no mercado, cada um com suas margens de lucro.

Desde o início deste mês, o preço do diesel sofreu, na média de 16 reajustes praticados no período, uma redução de 4%. Já a gasolina, no mesmo período, também em 16 reajustes, teve o preço elevado em 2,2%.

*Com informações da Agência Brasil

 

 

 

Preços de hortifrutigranjeiros sobem 4,88% em setembro

Dado é da Ceagesp; alta foi influenciada pela estiagem prolongada

Redação*

00729Os preços dos produtos hortifrutigranjeiros comercializados pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) subiram, em média, 4,88% em setembro. Esta foi a segunda maior alta do ano, influenciada pela estiagem prolongada, que afetou principalmente as frutas. Até agora, o maior aumento este ano tinha sido registrado em fevereiro (5,78%), quando as cotações sofreram o impacto do excesso de chuva nas lavouras.

Apesar da alta de setembro, no acumulado do ano, o índice ainda aponta leve recuo, de 0,76% em relação ao mesmo período de 2016. Já nos últimos 12 meses, o índice acumula alta de 0,11%.

De acordo com a Ceagesp, os preços das frutas aumentaram, em média, 7,9%, com destaque para a carambola (57,6%), o kiwi estrangeiro (55,5%), o mamão formosa (49,5%), o limão taiti (37,5%), o maracujá azedo (31,5%) e o maracujá doce (21,8%).

Também foi registrada alta no setor de pescados (6,1%). Os legumes apresentaram queda de 1,11%, as verduras de 5,09% e no setor de diversos, que inclui cebola, alho e batata comum, entre outros.

*Com informações da Agência Brasil