Safra de grãos de 2018 deve sofrer queda de 8,9%

Estimativa é do IBGE; de acordo com Instituto safra deverá ser de 220,2 milhões de toneladas. Clima é um dos fatores que devem afetar a produção

Redação*

soja exportação_DivulgaçãoAgência de Notícias do ParanáA safra de cereais, leguminosas e oleaginosas do ano que vem deverá ser 8,9% abaixo deste ano. A estimativa é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o levantamento, divulgado hoje (9), a safra deverá ficar em torno de 220,2 milhões de toneladas em 2018; 21,4 milhões a menos do que a produção esperada para este ano. O atraso das chuvas é apontado pelos especialistas do instituto como um dos fatores da queda.

São esperadas quedas nas três principais lavouras de grãos do Brasil – soja (-6,3%), milho (-14,4%) e arroz em casca (-6,8%). Também é esperado um recuo na produção de algodão herbáceo em caroço (-1,5%). Dentre as cinco principais lavouras, apenas o feijão em grão deverá ter aumento na safra: 1,3%.

As cinco regiões do País deverão ter queda na safra no ano que vem, em relação a esse ano: Norte (-3,2%), Nordeste (-5,8%), Sudeste (-4,8%), Sul (-12,3%) e Centro-Oeste (-8%).

Ainda de acordo com o Instituto, a nova estimativa para a safra de grãos 2017, realizada em outubro, é de que deverá ser 0,2% menor do que a anterior, de setembro. Mas, espera-se que o ano seja encerrado com uma safra 30% superior à observada em 2016: 241,6 milhões de toneladas ou 55,8 milhões de toneladas a mais do que no ano passado.

Entre as principais lavouras, a soja deverá fechar 2017 com uma alta de 19,4% e o arroz com um crescimento de 16%. O milho apresentou um aumento de 27,3% na primeira safra do ano e de 72% na segunda safra, de acordo com o IBGE.

*Com informações da Agência Brasil

 

Frutas e verduras têm queda na maioria das centrais de abastecimento do País em 2016

De acordo com boletim Prohort, redução foi de 3,35% em relação a 2015

Redação*

00729Dados do último boletim Prohort de Comercialização de Hortigranjeiros nas Centrais de Abastecimento (Ceasas) apontam que preços de frutas e verduras caíram na maioria das centrais de abastecimento do País.

De acordo com o documento, preço das hortaliças, batata, tomate e alface continuam em baixa e menores em relação ao mesmo período de 2015. As hortaliças que apresentaram alta nas cotações em praticamente todos os mercados foram a cebola e a cenoura.

Entre as frutas, o grande destaque de queda de preços no período foi o mamão, que teve aumento da oferta em vários mercados e pouca demanda, por conta das festas de fim de ano e da maior procura por outras frutas tradicionais desta época.

Banana e laranja apresentaram tendência de alta de preços em grande parte dos mercados. A laranja continua escassa nos entrepostos atacadistas. Já a melancia apresentou aumento de oferta em todos os mercados em relação ao período anterior, com preços ainda sem uma tendência definida.

Outros produtos que apresentaram queda nas cotações foram abóbora (4%), couve-flor (12%), moranga e mandioquinha (18%), quiabo (22%), berinjela (24%), jiló (26%), batata-doce (28%) e espinafre (42%). Para frutas, os destaques foram goiaba (7%), melão (14%), uva (21%), manga (22%), caqui e tangerina (24%), pêssego (29%), limão (31%), ameixa (45%), amora (58%) e nectarina (63%).

Segundo o relatório, a consolidação desses números evidencia uma redução de 3,35% no volume comercializado em relação a 2015, e um aumento de 14,63% no valor total nesse segmento da comercialização de produtos in natura, explicado por fatores climáticos e econômicos.

*Com informações do Mapa