Safra de cereais de 2018 deverá ser 9,2% menor

Estimativa é do IBGE, que prevê um volume de 219,5 milhões de toneladas

soja exportação_DivulgaçãoAgência de Notícias do ParanáO Brasil deverá ter, em 2018, uma safra de cereais, leguminosas e oleaginosas 9,2% menor do que a produção deste ano. O segundo prognóstico da safra de 2018, divulgado hoje (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Rio de Janeiro, prevê uma safra de 219,5 milhões de toneladas em 2018, 22,4 milhões a menos do que a produção esperada para 2017. A queda prevista por esse segundo prognóstico é ainda maior do que a feita pela primeira estimativa, divulgada em novembro, que previa um recuo da safra de 8,9%.

Entre os cinco principais produtos para a próxima safra, três devem apresentar quedas na produção: arroz em casca (-8%), milho em grão (-15,9%) e soja em grão (-5,9%). São esperadas altas na produção de algodão herbáceo (4,5%) e de feijão em grão (4,1%).

O IBGE também divulgou hoje sua 11ª estimativa para a safra de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2017, realizada em novembro. De acordo com o instituto, a safra deste ano deverá ser somente 0,1% maior do que a estimada pelo décimo levantamento, realizado em outubro.

Espera-se que o ano seja encerrado com uma safra 30,2% maior que a de 2016 – 241,9 milhões de toneladas, ou 56,1 milhões de toneladas a mais do que no passado.

Entre as principais lavouras, a soja deverá fechar 2017 com uma alta de 19,4%, o arroz com um crescimento de 17,4% e o milho com aumento na produção de 55,2%.

*Com informações da Agência Brasil

Safra de grãos de 2018 deve sofrer queda de 8,9%

Estimativa é do IBGE; de acordo com Instituto safra deverá ser de 220,2 milhões de toneladas. Clima é um dos fatores que devem afetar a produção

Redação*

soja exportação_DivulgaçãoAgência de Notícias do ParanáA safra de cereais, leguminosas e oleaginosas do ano que vem deverá ser 8,9% abaixo deste ano. A estimativa é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o levantamento, divulgado hoje (9), a safra deverá ficar em torno de 220,2 milhões de toneladas em 2018; 21,4 milhões a menos do que a produção esperada para este ano. O atraso das chuvas é apontado pelos especialistas do instituto como um dos fatores da queda.

São esperadas quedas nas três principais lavouras de grãos do Brasil – soja (-6,3%), milho (-14,4%) e arroz em casca (-6,8%). Também é esperado um recuo na produção de algodão herbáceo em caroço (-1,5%). Dentre as cinco principais lavouras, apenas o feijão em grão deverá ter aumento na safra: 1,3%.

As cinco regiões do País deverão ter queda na safra no ano que vem, em relação a esse ano: Norte (-3,2%), Nordeste (-5,8%), Sudeste (-4,8%), Sul (-12,3%) e Centro-Oeste (-8%).

Ainda de acordo com o Instituto, a nova estimativa para a safra de grãos 2017, realizada em outubro, é de que deverá ser 0,2% menor do que a anterior, de setembro. Mas, espera-se que o ano seja encerrado com uma safra 30% superior à observada em 2016: 241,6 milhões de toneladas ou 55,8 milhões de toneladas a mais do que no ano passado.

Entre as principais lavouras, a soja deverá fechar 2017 com uma alta de 19,4% e o arroz com um crescimento de 16%. O milho apresentou um aumento de 27,3% na primeira safra do ano e de 72% na segunda safra, de acordo com o IBGE.

*Com informações da Agência Brasil

 

Safra de grãos deve ultrapassar 288 milhões de toneladas em 10 anos

Projeção é de estudo realizado pelo Mapa e pela Embrapa

Redação*

soja exportação_DivulgaçãoAgência de Notícias do ParanáUm estudo de projeção da produção agropecuária brasileira para os próximos dez anos foi divulgado nesta sexta-feira (21) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). De acordo com a pesquisa, a produção de grãos deverá chegar a 288,2 milhões de toneladas. O volume corresponde a um acréscimo de 51 milhões de t em relação à atual safra 2016/2017 (237,2 milhões t) e um incremento de 21,5%. A previsão de crescimento de área plantada de todas as lavouras é de 13,5%, saindo de 74 milhões de hectares para 84 milhões de hectares. A área de grãos deve aumentar 17,3% neste período.

O estudo se debruçou sobre 29 produtos, como grãos, carnes (bovina, suína e aves), leite, frutas, fumo, celulose, papel e outros. De acordo com o coordenador-geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola do Mapa, José Garcia Gasques, o crescimento da produção agrícola no Brasil continuará sendo impulsionado pela produtividade no campo, pelo aumento do consumo do mercado interno e pela expansão das exportações.

O crescimento com base na produtividade deverá ocorrer nas novas regiões agrícolas do Brasil, no Norte e no Centro-Nordeste.

Para conferir o estudo completo, clique aqui.

*Com informações do Mapa