Mapa suspende exportação de carne de frango da BRF à União Europeia

Ministério afirma que tomou a medida preventivamente

Redação*

frangoII_MorguefileEm comunicado a seus acionistas, na última sexta-feira (16), a BRF confirmou que teve parte de suas exportações de carne de frango para a União Europeia suspensas pelo Ministério da Agricultura a partir desta data.

Em nota, o Ministério afirma que adotou a medida preventivamente e que uma missão técnica seguirá para a Europa na próxima semana e deve prestar todos os esclarecimentos necessários paras as autoridades sanitárias locais.

A Associação Brasileira de Proteína Animal comentou a decisão do Ministério e afirmou que o caso envolve apenas divergências sobre critérios de classificação de produtos exportados em relação à bactéria Salmonella spp e que isso, em termos práticos, não traz risco à saúde pública.

A Associação argumenta ainda que o Brasil exporta carne de frango para a Europa há mais de dez anos e que nunca houve qualquer registro de problemas de saúde pública relacionados à carne brasileira. Por isso, não haveria motivos concretos para o embargo. O Brasil é o maior exportador de carne de frango do mundo.

*Com informações da Agência Brasil

 

Governo comunica países importadores sobre suspensão temporária de 21 frigoríficos

Blairo Maggi ressaltou que objetivo é tranquilizar os mercados interno e externo

Redação*

carneO Brasil comunicou a todos os países que compram carnes dos 21 frigoríficos investigados pela Polícia Federal a suspensão dos seus registros de exportação, de acordo com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi.

Em relação às conversas que o Ministério tem tido com autoridades de governos estrangeiros sobre a Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, destacou que “é natural agora recebermos pedidos de esclarecimento de cada um desses países”. Segundo Maggi, essa é uma chance para o governo brasileiro dar informações detalhadas a cada país, a fim de evitar embargos totais e por tempo indeterminado.

O ministro reforçou a “segurança e a robustez” dos sistemas brasileiros de produção de carnes e de defesa agropecuária. “Estamos dando aos mercados importadores a garantia de que não há problemas com os produtos embarcados. Não podemos ser embargados definitivamente pelos países, porque teríamos prejuízos imediatos e no futuro”.

Maggi ressaltou também que o objetivo, agora, é tranquilizar os mercados interno e externo. “Nosso sistema detecta tudo. É totalmente rastreado. Ontem, por exemplo, vimos que havia um caminhão levando mercadoria para o Chile. Então, pedimos ao frigorífico que o veículo retornasse para não criar problema com o país. Podemos determinar, por exemplo, em qual navio e em qual posição no mar estão os contêineres.

Como parte da estratégia de reforçar a transparência do sistema brasileiro de produção de carnes, Maggi esteve nessa terça-feira (21) em uma unidade da Seara, no município da Lapa, região metropolitana de Curitiba. A empresa é exportadora de carnes e foi citada na operação da Polícia Federal. A visita do ministro serviu para mostrar a regularidade dos procedimentos sanitários adotadas na produção.

*Com informações do Mapa